Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Na presença de ministro da Saúde, atletas começam a ser vacinados para os Jogos de Tóquio

Queiroga esteve no Rio para aplicação das primeiras doses da Pfizer em brasileiros que vão representar o País na Olimpíada

Caio Sartori / RIO, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2021 | 15h35

O Brasil começou nesta sexta-feira, 14, a vacinar os atletas que vão disputar as Olimpíadas de Tóquio, no Japão, entre julho e agosto deste ano. Ao todo, segundo o Comitê Olímpico do Brasil (COB), 1800 profissionais da delegação brasileira receberão o imunizante. Adiada por causa da pandemia, a competição teria ocorrido no ano passado.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, esteve nesta sexta-feira no Rio para marcar o evento inaugural da vacinação, no Centro de Capacitação Física do Exército (CCFEx). Receberam a primeira dose da vacina da Pfizer os atletas Rosângela Santos, do atletismo; Ana Marcela Cunha, da maratona aquática; Larissa de Oliveira, da natação; Marcus Vinicius D’Almeida, do tiro com arco; Caio Ribeiro, da canoagem paralímpica; e Michel Pessanha, do remo paralímpico.  

“Fui bloqueado de competir em alguns países e, com a vacina, sinto que vou conseguir concluir meu ciclo. E sem o medo de chegar perto da Olimpíada e cair doente, interrompendo todo um trabalho de 11 anos no esporte”, disse Marcus Vinicius D’Almeida.

A vacinação também começou nesta sexta-feira em outras cidades - São Paulo, Brasília, Fortaleza, Porto Alegre e Belo Horizonte -, mas o Rio foi a escolhida para ter a presença do ministro e a cobertura da imprensa. A última edição da Olimpíada foi realizada na cidade.  

Parceria entre os ministérios da Defesa, da Saúde e da Cidadania, a ação tem coordenação do COB e do Comitê Paralímpico. “Estamos muito satisfeitos de poder ir aos jogos imunizados e ainda oferecer estas doses adicionais aos brasileiros. Temos a responsabilidade de vacinar e proteger nossos atletas, aceitando esta doação do COI”, disse o presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira.

Segundo as autoridades, a doação do Comitê Olímpico Internacional fará com que, a cada dose aplicada nos atletas, duas sejam doadas para o SUS. Os imunizantes aplicados nesta sexta eram da farmacêutica Pfizer, que agora começam a chegar ao País após a demora do governo em adquiri-las - um dos focos da CPI da Covid, em curso no Senado. 

Ao comemorar a aplicação nos atletas, o ministro Queiroga falou que a Olimpíada servirá como “um alento para a alma do nosso povo” durante um período difícil como o da pandemia. “O Brasil, seja no futebol, ‘a pátria de chuteiras’, ou na Olimpíada, se une em torno de um objetivo comum”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Olimpíada 2020 Tóquiocoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.