Regis Duvignau|Reuters
Regis Duvignau|Reuters

Francês preso com maconha voltará ao Rio para a Olimpíada

William Meynard foi detido na cidade na época da Copa do Mundo

Estadão Conteúdo

06 de abril de 2016 | 20h17

Dois anos após ser preso no Rio por porte de maconha e corrupção ativa durante a Copa do Mundo, o francês William Meynard pode dar a volta por cima na mesma cidade. Ele foi convocado nesta quarta-feira para compor o revezamento 4x100m livre da França, favorito ao ouro nos Jogos Olímpicos do Rio. Se à época ele trabalhava como bartender num hotel de Marselha, agora está de volta à boa forma, a ponto de ficar em sexto nos 100m livre na seletiva francesa.

Meynard, que também é policial federal, foi preso com 30 gramas de maconha, na Lapa, num sábado à noite. Segundo a Polícia Militar, depois do flagrante, ele ofereceu propina aos policiais do 5º Batalhão (Centro) para não ser levado à delegacia. O caso foi registrado na 5ª DP (Mem de Sá) e o nadador foi autuado por posse de droga e corrupção ativa. Ele ficou detido por uma noite, pagou fiança, e foi autorizado a deixar o País.

Em entrevista ao jornal francês L'Equipe, disse que estava conversando com dois homens que havia acabado de conhecer na rua, uma vez que "no Brasil as pessoas fazem amizade muito rápido", e um desses homens estava fumando maconha. "Eles estavam interessados em mim porque eu era o único estrangeiro", alegou.

Ainda de acordo com o nadador, os policiais vasculharam a mochila dele. "Eles colocaram tudo no chão. Eu tinha R$ 400 e, quando o policial viu, eu estremeci e perguntei: 'O quê? Você quer o dinheiro?'", relatou.

William Meynard ganhou três medalhas de bronzes em Mundiais: no revezamento 4x100m em 2009 e em 2011 e nos 100m livre em 2011. No Rio, vai compor a equipe encabeçada por Florent Manaudou. Pelo regulamento dos Jogos, os nadadores convocados para nadar apenas os revezamentos agora obrigatoriamente têm que cair na piscina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.