Instagram/ Mary Sophie Harvey
Instagram/ Mary Sophie Harvey

Nadadora afirma ter sido drogada após festa em Mundial; Fina abre investigação

Medalhista de bronze, Mary Sophie Harvey conta que não se lembra de nada do evento e apareceu com dezenas de hematomas

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2022 | 20h59

A nadadora canadense Mary Sophie Harvey afirmou que foi drogada durante uma festa na última noite de competições do Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em Budapeste, na Hungria, no fim de junho. Diante da denúncia, a Fina (Federação Internacional de Natação) informou que abrirá uma investigação para entender o que aconteceu com a canadense e quem foi o responsável por tê-la drogado.

De acordo com Harvey, ela não se lembra de nada do que aconteceu ao longo de seis horas durante a festa. Ela ainda afirma que acordou na manhã seguinte completamente perdida e com dezenas de hematomas espalhados em seu corpo.

"Sentia como se o corpo no qual estava no fosse o meu (ainda o sinto assim). Voltei para casa e encontrei dezenas de hematomas no meu corpo. Alguns dos meus amigos me disseram depois que tiveram que me carregar quando estava inconsciente e que isso provavelmente explica o porquê (das lesões)", contou Mary Sophie Harvey.

"Infelizmente, estes fatos acontecem com ainda mais frequência do que se pensa. Houve um aumento perigoso nos casos registrados nos últimos anos, mas ainda não é falado o suficiente", ressaltou a canadense de 22 anos em sua publicação nas redes sociais.

A Fina contou à AFP que está profundamente preocupada com o bem-estar da nadadora e mantém conversas com a Federação Canadense de Natação e com o Comitê Organizador do Mundial da Hungria para o esclarecimento dos fatos. Segundo a entidade, foi nomeado um agente independente para a investigação do caso.

Mary Sophie Harvey levou a medalha de bronze no revezamento 4x200m livre pela seleção canadense no Mundial de Budapeste por ter participado da semifinal. Na final, ela foi substituída./ COM INFORMAÇÕES DA AFP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.