Nadadora amputada da África do Sul estará na maratona aquática

Mesmo que não ganhe uma medalha, ajornada da nadadora sul-africana Natalie du Toit até aOlimpíada de Pequim já ganhou corações ao redor do mundo comoum triunfo da coragem sobre a tragédia. Du Toit, 24 anos, perdeu sua perna esquerda em um acidentede moto em 2001, um ano depois de perder a classificação paraos Jogos de Sydney por muito pouco. Agora ela se prepara para amaratona aquática de 10 quilômetros da Olimpíada, naquarta-feira, novo evento olímpico e um dos mais aguardados dosJogos. Nenhuma das adversárias nessa prova que equivale a umamaratona fará concessões por conta da deficiência física de DuToit, nunca ninguém faz, e ela certamente será atingida porcotoveladas, empurrada, afundada, segura, como qualquerconcorrente na virada das bóias. "Não vão facilitar para ela", diz Karoly von Toros, técnicada nadadora. "Nem ela quer isso." Du Toit, que carregou a bandeira de seu país na cerimôniade abertura em Pequim, poderá ser a primeira amputada a ganharuma medalha em Olimpíada nos últimos 56 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.