Fabio Teixeira| EFE
Fabio Teixeira| EFE

Nadadores confessam que criaram assalto para salvar namoro de colega

História foi revelada por Gunnar Bentz e Jack Conger em depoimento à polícia

Suellen Amorim, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2016 | 18h40

Em depoimento à Polícia Civil do Rio, os nadadores americanos Gunnar Bentz e Jack Conger reconheceram nesta quinta-feira, 18, ser mentirosa a história de um suposto assalto que teriam sofrido com os colegas Ryan Lochte  e James Feigen na madrugada do último domingo, 14. A policiais da Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat), os dois atletas afirmaram que a mentira foi articulada por Ryan Lochte, para preservar o relacionamento "oficial" de um deles. O jovem - não foi identificado qual - teria "ficado" com uma jovem em uma festa na Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul.

Segundo Fernando Veloso, chefe da Polícia Civil do Rio,  o taxista que levou para casa duas jovens que estiveram com os nadadores naquela madrugada depôs e confirmou a versão,  que havia escutado dentro de seu carro, quando as mulheres conversavam. "Não houve roubo, eles não foram vítimas como relataram", disse Veloso. 

Lochte também foi  apontado como o "mais exaltado" dos quatro quando promoveram a depredação do banheiro de um posto de gasolina na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro. Veloso disse que os nadadores estavam alcoolizados e quebraram espelhos e saboneteiras do local. Quando foram abordados pelos seguranças, que constataram o dano, eles teriam ficado nervosos e tentado ir embora. Foram, então,  impedidos pelos agentes, que apontaram uma arma na direção dos atletas, mas sem uso de violência física, segundo o delegado. Os seguranças são policiais que faziam um trabalho extra no local - em conformidade com a lei, afirmaram, e ligaram para a Polícia Militar.

Uma testemunha que passava pelo posto no momento da "confusão" também foi ouvida pela Polícia.  Ela contou que se voluntariou a traduzir o diálogo, e explicou aos nadadores que eles teriam que pagar pelo prejuízo.  Os nadadores, então, deixaram R$ 100 e US$ 20 para pagar  conserto dos danos que tinham provocado.  Os atletas insistiram para que o taxista, que os esperava, seguisse viagem. O motorista queria esperar a chegada da Polícia, mas acabou sendo convencido a deixar o local. 

Agora a Polícia precisa concluir a investigação para responder se os quatro nadadores serão indiciados por dano ao patrimônio e / ou falsa comunicação de crime. As penas, respectivamente, são de um a seis meses de detenção ou multa (duas vezes, uma para cada uma dessas infrações) Por enquanto, eles seguem como testemunhas e podem até ter os passaportes devolvidos e deixar o País,  se a Justiça entender que não há impedimento para isso.

O terceiro nadador que ainda estaria no Brasil é James Feigen. Segundo a Polícia Civil do Rio, um representante da Ordem dos Advogados do Brasil  (OAB) procurou a Polícia e disse que Feigen está disponível para prestar depoimento, ainda a ser marcado. Como ele demonstrou disposição para colaborar, por enquanto não é necessário pedir a condução coercitiva do nadador. 

Para que Ryan Lochte possa depor, nos Estados Unidos, será pedida uma carta rogatória à Justiça, que, se aprovada, será enviada ao FBI, que tem colaborado na condução do caso. A perícia deve analisar as imagens de câmeras de segurança do posto de gasolina, para usá-las na investigação e para saber se elas foram editadas. 

O chefe de polícia Fernando Veloso criticou a postura dos nadadores. Disse que por se tratar de figuras públicas deveriam se comportar de maneira a dar exemplo a seus seguidores. E que devem desculpas à cidade. "Devem desculpas ao (povo) carioca que viu o nome da sua cidade manchado por uma situação falsa", disse Veloso.

DEPREDAÇÃO

No depoimento que prestou à Polícia, o dono do posto de gasolina onde aconteceu o incidente acusou os nadadores de vandalismo. Segundo a testemunha, os atletas urinaram em paredes, destruíram uma placa de propaganda e itens do banheiro, como uma papeleira e uma saboneteira. 

Outros funcionários contaram à polícia que os atletas chegaram por volta das 6h, de táxi, pedindo para usar o banheiro. Pouco depois, isso, o gerente foi chamado porque os americanos faziam "algazarra" no fundo do estabelecimento./ COLABOROU CONTANÇA REZENDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.