Ricardo Moraes|Reuters
Ricardo Moraes|Reuters

Não existe justificativa para adiar os Jogos Olímpicos, diz OMS

Para dar garantias, diretora estará na abertura da Olimpíada

Jamil Chade, Correspondente em Genebra

28 de maio de 2016 | 08h03

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que não existe 'justificativa' para adiar os Jogos Olímpicos do Rio por conta do vírus Zika e que mesmo alterar o local do evento teria um impacto limitado na transmissão da doença. Para mostrar que o risco não é significativo, a diretora da OMS, Margaret Chan, confirmou que estará na abertura dos Jogos, no dia 5 de agosto. "Eu estarei lá", disse. 

A declaração da entidade fui publicada um dia depois que um grupo de 150 cientistas emitiu uma carta aberta à OMS solicitando que o evento no Brasil seja adiado. Essa foi a terceira vez que cientistas fizeram um apelo semelhante. Para o grupo, realizar o evento "não é ético" e citam o "fracasso" do País em reduzir a população de mosquitos. 

Para os cientistas, a OMS tem um conflito de interesse por ser parceira do COI e apontam que realizar o evento representa um "risco desnecessário para 500 mil pessoas".  Em todas as ocasiões, a OMS respondeu da mesma forma e se recusou a ceder. Já o COI usa a OMS como escudo para alegar que vai adiante com os Jogos por conta da recomendação da agência de saúde. 

Ao Estado, a alta cúpula da OMS admitiu em fevereiro que um dos motivos pelo qual decidiu declarar uma emergência internacional era justamente para colocar regras sobre o que era e o que não seria autorizado a ser adotado contra o Brasil. O temor era da proliferação de medidas restritivas contra o País.

Agora, essa tese é reforçada por mais uma declaração. "Baseado na avaliação atual de que o vírus Zika está circulando em quase 60 países pelo mundo e em 39 nas Américas, não existe justificativa de saúde pública para adiar ou cancelar os Jogos", declarou a OMS na manhã deste sábado. A entidade também aponta que "cancelar ou mudar o local dos Jogos de 2016 não irá mudar de forma significativa a transmissão internacional do vírus Zika". 

"O Brasil é um dos quse 60 países que estão relatando transmissão de zika por mosquito. As pessoas continuam a viajar por esses países por várias razões", insistiu a entidade.  

No mês passado, quando foi também questionada por outro cientista sobre a necessidade de adiar os Jogos, a OMS publicou um guia para atletas e estrangeiros que estejam à caminho do Rio. A principal recomendação é direcionada para as grávidas, solicitando que essas mulheres não viagem ao Brasil para o evento. 

A mesma recomendação voltou a ser publicada neste sábado. "A OMS recomenda às mulheres grávidas que não viagem para áreas com transmissão do zika vírus e isso inclui o Rio de Janeiro", disse a entidade, em uma nota. 

Outra sugestão é de que parceiros de mulheres grávidas retornando do evento no Brasil pratiquem sexo seguro ou abstenção por todo o período da gravidez. Aos casais que não estejam planejando uma gravidez, a OMS sugere que usem preservativos por quatro semanas ao retornar do Rio de Janeiro. 

Aos turistas e jornalistas estrangeiros, a recomendação é para que escolham locais de hospedagem com ar condicionado e que mantenham sempre portas e janelas fechadas para impedir que mosquitos entrem nos quartos. O uso de repelentes e roupas adequadas também fazem parte do guia.  

Uma das recomendações que causou já polêmica no mês passado voltou a ser publicado neste sábado. A OMS recomenda que estrangeiros evitem áreas pobres do Rio, onde haveria esgoto a céu aberto ou agua encanada. Segundo a entidade, o risco de picadas de mosquito nesses locais é maior. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.