Natação é o esporte que mais rende pódios ao Brasil em Pequim

Das 47 medalhas conquistadas pelos brasileiros, 40,5% vieram do Cubo D'Água; atletismo fica em 2.º lugar

André Rigue, estadao.com.br

17 de setembro de 2008 | 07h46

A natação foi a principal responsável pela melhor campanha do Brasil na história dos Jogos Paraolímpicos. Dos 47 pódios brasileiros em Pequim, as piscinas do Cubo D'Água renderam 19 medalhas (oito de ouro), equivalente a 40,5% do total de conquistas.   Veja também:  Em nono, Brasil tem o melhor resultado da história   Bate-Pronto: O significado da Paraolimpíada   Aos 20 anos, Daniel Dias foi o grande nome do Brasil. O nadador ganhou nove medalhas no total (quatro de ouro) e se transformou no maior conquistador de pódios do País numa única edição de Jogos, superando a marca de Clodoaldo Silva (7 pódios) em Atenas (2004).   Além das vitórias de Daniel Dias, a natação trouxe mais quatro ouros ao Brasil, todos com André Brasil. A modalidade ainda foi a que conseguiu o maior número de pratas, com sete. Em bronzes, as piscinas do Cubo D'Água renderam quatro pódios, contra sete do atletismo.   E foi justamente o atletismo o segundo esporte que mais rendeu medalhas ao Brasil, com 15 (31,2%). O velocista Lucas Prado foi o grande destaque da modalidade com três ouros, nos 100 m, 200 m e 400 m T11, para atletas com deficiência visual.   O atletismo também se destacou por ser o esporte com mais pódios de mulheres. A única atleta a conquistar um ouro para o Brasil em Pequim foi Terezinha Guilhermina, com a vitória nos 200 metros T11 - ela ainda ganhou um bronze e uma prata.   Outros esportes conquistaram resultados inéditos para o Brasil. Pela primeira vez no calendário oficial, a bocha deu  Esporte  Ouro  Prata  Bronze  Total  Natação  8 7   4  19  Atletismo  4  4  7  15  Judô  1  2  2  5  Bocha  2  0  1  3  Hipismo  0  0  2  2  Futebol de 5  1  0  0  1  Tênis de mesa  0  1  0  1  Remo  0  0  1  1 dois ouros na disputa entre cadeirantes: no individual (com Dirce Pinto) e nas duplas (com Dirceu Pinto e Eliseu Santos).   No judô, esporte já tradicional, Antônio Tenório se tornou o primeiro brasuca tetracampeão paraolímpico ao vencer na final Karim Sardarov, do Azerbaijão, na categoria até 100 kg, para deficientes visuais.   O último grande destaque do Brasil aconteceu na final do futebol de cinco. Num jogo muito equilibrado, a seleção derrotou a China por 2 a 1, com gol no minuto final, e garantiu o bicampeonato paraolímpico.    

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.