Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Neymar e Dunga têm segunda chance de buscar o ouro olímpico

Craque do Barcelona ficou com a prata em Londres

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

31 de março de 2016 | 07h00

A medalha de ouro olímpica é a única conquista de grande relevância que falta à seleção brasileira de futebol. Dunga e Neymar vão ter a segunda chance de ter sucesso. O técnico fracassou na semifinal de Pequim-2008, ao ser derrotado pela Argentina e acabou com o bronze. O craque do Barcelona chegou à decisão, mas, surpreendentemente, foi derrotado pelo México na decisão do ouro. Agora, atuando em casa, nada que não for uma vitória no jogo final do Maracanã, em 20 de agosto, vai servir para não marcar negativamente a vitoriosa carreira de ambos.

O Brasil já esteve bem perto do primeiro lugar do pódio do futebol masculino. Grandes nomes tiveram a oportunidade, mas ficaram apenas no quase. Em Montreal-1976, Junior e Batista eram os líderes de um time que caiu na semifinal para a Polônia, por 2 a 0, e depois para a União Soviética, na disputa da medalha de bronze.

Em Los Angeles-1984, um time que teve como base o Internacional-RS foi prata, ao perder a final para a França. Quatro anos mais tarde e novo segundo lugar. Em Seul, Taffarel e Romário conseguiram uma vitória épica sobre a Alemanha na semifinal, mas não tiveram forças diante da União Soviética.

Em Atlanta-1996, um time de estrelas foi chamado, sob a batuta do experiente Zagallo. Dida, Roberto Carlos, Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho e Ronaldo Fenômeno tropeçaram no próprio ego e foram surpreendidos pela Nigéria na semifinal, com direito a morte súbita. Não houve festa pela goleada sobre Portugal, por 5 a 0, que valeu a conquista da medalha de bronze.

Vexame ocorreu em Sydney-2000. Nas quartas de final, uma equipe dirigida por Vanderlei Luxemburgo, com Ronaldinho Gaúcho, Alex, Lúcio e Roger foi eliminada no gol de ouro por Camarões, com dois jogadores a menos, após empate por 1 a 1 no tempo normal.

Em Atenas-2004, a seleção nem se classificou no Pré-Olímpico do Chile, o time do técnico Ricardo Gomes, que tinha como destaque Robinho e Diego, sucumbiu diante do Paraguai. A Olimpíada do Rio pode ser a última chance do futebol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.