Jonne Roriz/Exemplus/COB
Jonne Roriz/Exemplus/COB

No boxe, Brasil ganha 1ª medalha de ouro nos Jogos da Juventude

Keno Marley supera Farid Douibi, da Argélia, na decisão da categoria até 75kg

Paulo Favero, Estadão Conteúdo

17 Outubro 2018 | 20h58

O Brasil conquistou seu primeiro ouro nos Jogos Olímpicos da Juventude, que estão sendo disputados em Buenos Aires. O lugar mais alto do pódio veio com Keno Marley, que na final da categoria até 75kg no boxe bateu Farid Douibi, da Argélia, por 5 a 0. "É uma alegria muito grande, nem sei explicar o que sinto. Treinei bastante para isso", confessou o garoto.

Ele teve uma ótima atuação e não deu qualquer chance para seu adversário na luta. "Graças a Deus saiu o ouro. A expectativa era grande, tinha muita torcida. É uma honra representar meu País, fiquei muito alegre e isso me deu uma enorme energia", afirmou o atleta de 18 anos, que é do interior da Bahia. "Sou de Conceição do Almeida, uma cidade pequena, pacata, de 30 mil habitantes, que agora tem um campeão olímpico", disse.

Keno ganhou Marley no nome por sugestão de seu irmão, que ouvia muito o cantor jamaicano de reggae Bob Marley. "Adoro meu nome e gosto das músicas dele", explicou, sempre sorrindo. Ele admitiu que era difícil aguardar seu momento de entrar em ação, que se concretizou apenas nos últimos dias da competição.

Enquanto via seus companheiros de Time Brasil competindo, foi lidando com a ansiedade. "Eu venho me preparando há muito tempo, me desenvolvendo. Eu tive de resistir todos esses dias, vendo pessoas ganhando, perdendo, mas mantive o foco e me concentrei da melhor maneira para garantir a medalha de ouro", comentou.

Keno começou no boxe aos 12 anos e logo mostrou talento. Não demorou para se mudar para São Paulo e desde os 16 anos treina no CT da seleção brasileira, já com a equipe adulta. O técnico Mateus Alves explica que o rapaz tem muito talento e apenas quatro derrotas na carreira. Apesar da juventude, Keno já sonha com mais um pódio olímpico, mas desta vez entre os adultos nos Jogos de Tóquio, em 2020.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.