No nado sincronizado, japonesa sai de maca e russas levam ouro

A japonesa Hiromi Kobayashi, do nadosincronizado, teve problemas respiratórios na piscina, nosábado, durante a final por equipes do nado sincronizado -- queteve a Rússia consagrada como tricampeã olímpica. A atleta japonesa foi retirada da piscina e saiu carregadaem uma maca. Dois salva-vidas chineses mergulharam na piscina no fim darotina livre da equipe japonesa e ajudaram membros da delegaçãoa puxar Kobayashi para a beirada. Ela passou por problemas respiratórios assim que terminou arotina. Foi tirada da água e colocada em uma maca. Um dirigentejaponês disse, logo em seguida, que a atleta estavarecuperada. "A capitã me falou que o que aconteceu, foihiperventilação", disse o dirigente, segundo a assessoria deimprensa do Comitê Olímpico Japonês. "Ela está OK. Já estáconsciente. Não foi nada sério. Agora está na cama,descansando. Ela está bem." A capitã Masako Kaneko disse, mais tarde, que Kobayashi nãotinha desmaiado e que já estava bem, andando. O Japão foi quinto, atrás da campeã Rússia e -- pela ordem-- Espanha, China e Canadá. Foi a primeira vez que as japonesasnão ganharam uma medalha na competição por equipes, que entrouno programa olímpico nos Jogos de Atlanta-1996. OURO RUSSO, BRONZE CHINES As russas arrasaram no nado sincronizado, encerrado com umarotina na competição por equipes executada de forma quasetotalmente "limpa". Mas a gritaria da torcida foi mesmo para aChina, que conquistava sua primeira medalha nesse esporte. As chinesas tiveram de "bloquear" os gritos dasarquibancadas lotadas, porque quase nem era possível ouvir amúsica da apresentação com oito nadadoras: "O Rio Amarelo" --escolhida porque o rio foi o berço da civilização chinesa. "Os gritos nos deixaram um pouco nervosas. Estávamospreocupadas em não conseguir ouvir a primeira nota da música,porque é muito baixinha", disse a atleta Zhang Xiaohuan, depoisda cerimônia de medalhas. A Rússia recebeu duas notas 10, para a rotina técnica e aartística de sua apresentação. As russas vem dominando o nado sincronizado desde a Copa doMundo de 1997, quando encerraram a hegemonia de Estados Unidose Canadá. Mas também viram o surgimento das chinesas e disseramque terão de trabalhar muito duro para permanecer no topo. (Com reportagem adicional de Yuka Obayashi e EmmaGraham-Harrison)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.