Annika Bryde/AFP
Annika Bryde/AFP

Norueguês Karsten Warholm bate recorde mundial dos 400m com barreiras

Atual bicampeão mundial quebra marca de 30 anos na etapa de Oslo da Diamond League

Redação, Estadão Conteúdo

01 de julho de 2021 | 19h12

O fã de atletismo que foi nesta quinta-feira ao estádio para acompanhar a etapa de Oslo da Diamond League - principal série de eventos anual da modalidade - teve uma dupla comemoração em uma das principais provas. Atual bicampeão mundial, o norueguês Karsten Warholm quebrou o recorde mundial dos 400 metros com barreiras com o tempo de 46s70, superando em oito centésimos a antiga melhor marca da história, que pertencia ao americano Kevin Young há quase 30 anos.

O resultado em Oslo colocou Warholm como favorito ao ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. Ele deve travar um duelo com o americano Rai Benjamin, que correu a prova para 46s83 no último fim de semana e não participou da etapa norueguesa da Diamond League.

O destaque brasileiro fica por conta de Alison dos Santos, o Piu, que ficou com a segunda colocação e quebrou o recorde sul-americano, além de alcançar a melhor marca da sua carreira, marcando o tempo de 47s38 e baixando a marca anterior, obtida na etapa de Doha (Catar) da Diamond League, em 0s19.

Essa foi a terceira vez neste ano que Alison dos Santos, agora líder da prova dos 400 metros com barreiras da Diamond League, quebra o recorde sul-americano da prova. A primeira foi em Mt.Sac, nos Estados Unidos, durante uma etapa Gold da Continental Tour de Atletismo.

Pela programação inicial do treinador Felipe de Siqueira da Silva, que está com Alison na Europa, ele volta a competir neste domingo em Estocolmo, na Suécia, e no dia 9 em Mônaco - ambas etapas também da Diamond League. O atleta, que completou 21 anos no dia 3 de junho, é campeão dos Jogos Pan-Americanos de Lima e finalista do Mundial de Doha, ambas competições realizadas em 2019.

O salto com vara masculino foi outro destaque do dia em Oslo. Três favoritos ao pódio olímpico estavam na disputa: o francês Renaud Lavillenie (vice-campeão olímpico no Rio-2016 e ouro em Londres-2012), o americano Sam Kendricks (atual bicampeão mundial) e o sueco Armand Duplantis (atual recordista mundial).

Preciso em seus saltos, Duplantis logo assumiu a liderança. Lavillenie acabou na terceira posição, com 5,81 metros. Kendricks passou da barreira dos 5,91m, mas não superou o sarrafo a 6,01m. Duplantis sim passou de 6,01m de primeira para garantir o título. Aí ele tentou quebrar o próprio recorde mundial, saltando para 6,19m, mas não conseguiu estabelecer novamente a melhor marca da história.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoNoruega [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.