Lavandeira Jr|EFE
  Lavandeira Jr|EFE

  Lavandeira Jr|EFE

Nos Jogos de Tóquio, Martine Grael e Kahena Kunze lutam pelo bi olímpico da vela

Velejadoras brasileiras disputam medal race com boas chances de conquistarem mais uma medalha de ouro

Paulo Favero, enviado especial/TÓQUIO , O Estado de S.Paulo

Atualizado

  Lavandeira Jr|EFE

As campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze vão disputar a medal race na madrugada de segunda-feira, às 2h33 (horário de Brasília), em busca do bicampeonato. Elas chegam empatadas na liderança da classe 49er FX no último dia, e com diferença apertada para suas principais adversárias que também lutam por um lugar no pódio.

As brasileiras têm 70 pontos perdidos após 12 regatas disputadas. Suas principais concorrentes são as holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duetz, que estão com 70 pontos também. E na sequência vem a dupla formada por Tina Lutz e Susann Beucke, da Alemanha, com 73. Quem terminar com menos pontos perdidos vence.

E a situação fica mais emocionante ainda porque a regata de medalha vale pontuação em dobro. São dez duplas e quem terminar a disputa em primeiro perde dois pontos, quem ficar em segundo perde quatro, e assim por diante. Pela diferença de pontos ser bem apertada, as brasileiras podem inclusive ficar fora do pódio caso façam uma regata ruim no último dia.

Isso porque o barco espanhol formado por Tamara Echegoyen Dominguez e Paula Barcelo Martin tem 77 pontos perdidos, um pouco à frente de Charlotte Dobson e Saskia Tidey, da Grã-Bretanha, com 81 pontos perdidos. Todas as cinco mais bem colocadas têm chance de conquistar a medalha de ouro. Se Martine e Kahena ficarem na quarta posição já garantem um lugar no pódio.

Até por isso, a disputa promete ser acirrada em busca do ouro e também por um lugar no pódio. Na primeira regata de Martine e Kahena, elas ficaram apenas na 15ª posição, a pior colocação entre as 12 regatas. Depois foram melhorando e se acostumando com a imprevisibilidade da Baía de Enoshima. E no sábado de madrugada, nas duas últimas disputas, ficaram com um segundo lugar e um décimo lugar e empataram na liderança antes da medal race, já que as holandesas tiveram uma 11ª posição e uma 16.ª, que acabou sendo o descarte delas.

Para ganhar o ouro, as brasileiras precisam ficar à frente da dupla da Holanda, ficar no máximo uma posição atrás das alemãs, três posições de diferença para a Espanha e cinco para as britânicas. Como as disputas estão emboladas, não será possível marcar apenas um adversário porque outro pode desgarrar e levar a medalha.

Situação parecida ocorreu no Rio. Martine e Kahena foram para a medal race empatados em 46 pontos perdidos com as espanholas Tamara Dominguez e Berta Moro e as dinamarquesas Jena Hansen e Katja Salskov-Iversen. E ainda tinha a dupla da Nova Zelândia (Alex Maloney e Molly Meech), com apenas um ponto atrás - as brasileiras venceram e se tornaram campeãs olímpicas, com a dupla neozelandesa roubando posições e ficando com a prata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.