Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Nuzman classifica problemas na Vila Olímpica como 'naturais'

Presidente do Comitê Organizador insiste que vila é a 'melhor da história'

Antonio Pita, do Rio, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2016 | 12h37

O presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, classificou de "naturais" as críticas e problemas encontrados pelos atletas nos alojamentos. A Vila dos Atletas, na Barra da Tijuca, foi aberta neste domingo em meio a fortes críticas da equipe australiana, que se recusou a se hospedar lá. Até segunda ordem, a delegação ficará em hotéis.

Segundo Nuzman, a Vila Olímpica do Rio é "a melhor da história das Olimpíadas", mas ajustes são necessários nos apartamentos. Pela manhã, o Comitê Olímpico da Austrália (AOC) alegou problemas no encanamento, sistema de gás e eletricidade dos apartamentos e comunicou oficialmente que não permanecerá no local até que os problemas sejam resolvidos. Segundo a delegação australiana, atletas de outros países também apresentaram queixas às instalações.

Além disso, houve relato de um furto de notebook do Comitê organizador dentro da Vila, o que foi minimizado por Nuzman: "Não tenho condição de saber individualmente o que saiu ou o que entrou".

Apesar desses problemas, também nas áreas comuns, equipes de pelo menos outros 10 países já estão no condomínio que tem capacidade para 17 mil pessoas. Os atletas começaram a chegar na Vila por volta das 9h. Já deram entrada países como Eslovênia, Suécia, Itália, Inglaterra, África do Sul, Portugal, Alemanha e atletas de 14 modalidades do Brasil.

"Já fizemos várias mudanças na Vila e sempre que fazemos isso sentimos que ajustes são necessários. É natural que ajustes necessários sejam feitos ao longo dos próximos dias. O trabalho de verificação já havia começado. A Verificação e importante para delegações dizerem os problemas. um. Mais importante é, de agora em diante, ver o que podemos entregar. Não é procurar quem errou ou deixou de errar", disse Nuzman à imprensa, em evento que deveria servir de festa pela abertura da Vila.

Para o brasileiro, os problemas na Vila Olímpica não são exclusividade do Rio. "Outros organizadores de Jogos Olímpicos já tiveram situações semelhantes ou piores. Nossa missão é corrigir o que for feito para ter Jogos espetaculares", completou o dirigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.