Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Marcelo Sayão|EFE
Marcelo Sayão|EFE

Nuzman diz que investimento no esporte olímpico retrocedeu aos anos 1990

Modalidades passam por dificuldades mesmo após Brasil sediar grandes eventos

Estadão Conteúdo

29 de março de 2017 | 18h26

O presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, reconheceu nesta quarta-feira que o cenário do esporte no País não é nada bom. Em entrevista coletiva, o dirigente apontou que os investimentos nos esportes olímpicos no País retrocederam ao nível dos anos 1990, mesmo após organizar vários eventos de peso, sendo o principal deles os Jogos do Rio, no ano passado.

"É um cenário mais difícil. O Brasil passou de 2002 a 2016 organizando grandes eventos, as origens de recursos eram diferentes. A partir de agora, a gente volta ao que era antes de Sydney-2000, com recursos menores", afirmou, admitindo a inexistência de um legado em investimento no esporte de alto rendimento no Brasil.

Realmente, o que se vê nesse momento no esporte brasileiro é um cenário desolador, com vários atletas de peso sem clubes e patrocínios, o que inclusive atingiu o COB após o País sediar os Jogos Pan-Americanos de 2007, os Jogos Militares de 2011 e a última edição da Olimpíada.

Além disso, modalidades importantes do Brasil passam por impasse administrativo, caso do basquete, que teve a sua confederação suspensa internacionalmente, e dos esportes aquáticos, que viu as eleições serem suspensas pela Justiça, que também afastou a atual diretoria.

Nuzman assegurou, porém, que o COB não está inerte diante desse cenário complicado do esporte brasileiro, garantindo que a entidade busca a ampliação dos investimentos. "Temos uma nova equipe na área comercial e apresentaremos novos projetos", comentou.

Tudo isso aconteceu após o Brasil não atingir a meta estipulada pelo COB para os Jogos do Rio, que era de ficar entre os dez primeiros colocados no quadro de medalhas. O País ficou apenas em 13º lugar, com sete ouros, seis pratas e seis bronzes, mas teve o desempenho defendido por Nuzman. O dirigente, porém, avisou que o comitê não tornará pública as futuras metas para os próximos eventos.

"Os números de finais foram os maiores na história, não se pode falar só das medalhas. Vou ficar devendo essa meta, será algo interno. Não vou falar para Tóquio", disse Nuzman em entrevista coletiva realizada antes da realização do Prêmio Brasil Olímpico.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos OlímpicosOlimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.