Thanassis Stavrakis/AP
Thanassis Stavrakis/AP

Organização de Tóquio-2020 pede cuidado para público acompanhar tocha olímpica

Por causa da pandemia, desfile terá número limitado de pessoas nas ruas para evitar aglomerações

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2021 | 11h40

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, adiados em um ano por causa da pandemia do novo coronavírus, pediram cuidado nesta terça-feira ao público que acompanhará de perto o revezamento da tocha olímpica, que começará no próximo dia 25 na cidade de Fukushima, ao norte do Japão, e terá 10 mil carregadores durante quatro meses.

Para o início do revezamento, apenas os participantes da cerimônia e um número limitado de convidados serão autorizados a comparecer após serem testados para a covid-19. A intenção supostamente é evitar aglomerações. Mas a organização afirma que o público poderá apoiar o revezamento ao longo do percurso, com a orientação de usar máscara.

"O objetivo do revezamento da tocha olímpica é aumentar o entusiasmo (do povo japonês)", disse Toshiro Muto, o CEO do Comitê Oorganizador. "Precisamos equilibrar as coisas entre trazer entusiasmo e a prevenção à infecção por covid-19".

Nesta terça-feira, a imprensa japonesa acompanhou um ensaio do revezamento no trecho de Fukushima percorrido pelo ex-esquiador Sho Endo, que foi acompanhado em um percurso de 500 metros por cerca de 20 crianças. Ele estará no segundo dos três dias em que a tocha percorrerá a cidade.

O revezamento será iniciado no próximo dia 25 pelas integrantes da seleção japonesa de futebol feminino, que venceu o Mundial de 2011, no Canadá, logo após a tragédia do terremoto seguido de tsunami em Fukushima. Nem todas as campeãs, porém, estarão presentes.

A atacante Nahomi Kawasumi desistiu de participar do revezamento. No ano passado, antes do adiamento dos Jogos, ela abriu mão de correr a perna por medo de se contaminar com o novo coronavírus. Este ano novamente ela decidiu não integrar o evento alegando que a pandemia de covid-19 ainda está em curso e ela vive nos Estados Unidos, onde joga pelo Sky Blue FC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.