Organização de Xangai estudará segurança da Olimpíada

Escritório antiterrorismo será encarregado de evitar atentados durante o evento em Pequim, em agosto

EFE

26 de março de 2008 | 16h23

A Organização de Cooperação de Xangai (SCO, em inglês) estudará nesta quinta-feira medidas para garantir a segurança durante os Jogos Olímpicos de Pequim em reunião na cidade de Tashkent, capital do Uzbequistão. O escritório antiterrorista da SCO, organização que inclui China, Rússia, Cazaquistão, Uzbequistão, Tadjiquistão e Quirguistão, será encarregado de coordenar os esforços a fim de prevenir qualquer tentativa de sabotar o evento. A luta contra o terrorismo, o separatismo e o extremismo, além da formação de quadros antiterroristas, são alguns dos temas a serem discutidos. A SCO, fundada em 2001 por iniciativa da China para combater o extremismo, realizou em setembro do ano passado os maiores exercícios antiterroristas de sua história na região dos Urais. Esta organização considera que a ameaça do terrorismo islâmico ainda é muito latente na área devido à incursão de células terroristas financiadas pela Al Qaeda e procedentes do vizinho Afeganistão. Embora seus membros neguem que a organização seja uma aliança militar alternativa à Otan, a SCO ganha cada vez mais importância à cooperação em matéria de segurança. Países como Irã, Paquistão e Mongólia, que participam como observadores, solicitaram sua entrada no grupo. Em 2004, a SCO fundou um escritório antiterrorista com sede em Tashkent, cidade que também abriga o comitê executivo da organização. 

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.