Silvia Izquierdo/AP
Silvia Izquierdo/AP

Organização terá cautela para coibir protestos durante a Olimpíada

Funcionários nos locais de provas foram orientados para agir “com cautela”

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2016 | 05h00

O Comitê Olímpico Internacional pretende “lidar de modo razoável” com possíveis protestos ou manifestações políticas que ocorram dentro das arenas olímpicas. Apesar de a regra dos Jogos dizer que é proibido “portar ou ostentar cartazes, bandeiras, símbolos ou outros sinais com mensagens ofensivas”, os organizadores pretendem agir com “bom senso” cada vez que um cartaz surgir em um dos estádios com conteúdo político.

Nos bastidores, organizadores afirmam que estão orientando os seguranças e funcionários nos locais de provas a agir “com cautela” e avaliar até que ponto um cartaz cria problemas. 

Se nas ruas há a possibilidade de que ativistas e ONGs estejam organizando protestos para dias que antecedem à abertura dos Jogos, os dirigentes do COI consideram que é dentro dos ginásios e estádios que um impacto midiático e para a imagem do evento seria maior, em caso de protesto. 

O COI não quer virar alvo de manifestantes, como ocorreu na Copa do Mundo com a Fifa. Para isso, a estratégia adotada nos últimos meses foi a de não criticar o Brasil de forma pública, tratar de todos os problemas de forma confidencial e não dar informações detalhadas sobre custos e nem exigências.

 

Outra estratégia foi a de se mostrar aberto a receber ONGs que representem grupos de pessoas que tenham se queixado de ter sofrido com o evento. Há duas semanas, moradores da Vila Autódromo, desalojada para a construção da Vila Olímpica, foram recebidos em Lausanne por dirigentes da entidade.

 

Seja qual for a solução para casos pontuais, a ordem que os operadores de câmeras de TV oficiais do evento têm é a de evitar qualquer imagem de protestos ou cartazes dentro dos locais de provas. Caso algo dessa natureza apareça, a ordem é clara : “focar nos atletas”.

Os dirigentes esperam que atletas brasileiros, desde os primeiros dias, comecem a colecionar medalhas. Um dos dirigentes admitiu que quando os britânicos começaram a empolgar os torcedores, o clima mudou.O COI avalia que a desconfiança popular com os Jogos tem o potencial de se transformar em protestos. Em um momento político delicado no Brasil, membros do alto escalão da entidade olímpica revelam ao Estado que o evento tem sido considerado de “alto risco” para a imagem da entidade.

 

Os dirigentes reconhecem que o clima não é bom. Em entrevista ao jornal britânico Financial Times, o vice-presidente do COI, o britânico Craig Reedie, declarou estar “com pena do Rio”. “Quando os Jogos foram dados a eles em 2009, tudo parecia ir a favor: politicamente e em termos econômicos, um presidente muito popular e até encontraram petróleo”, comentou.

Nesta quarta-feira, ao chegar ao Rio, o presidente do COI, Thomas Bach, seguiu o script, elogiando a cidade e mostrando-se positivo. Nos bastidores, como o Estado revelou há dois dias, os problemas tinham deixado a entidade preocupada.

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.