Issei Kato/Reuters
Issei Kato/Reuters

Organizadores dos Jogos de Tóquio não comentam estudo que aponta recorde de gastos

Levantamento feito pelo economista Bent Flyvbjerg indica que os custos atingiram US$ 15,8 bilhões (cerca de R$ 83,6 bilhões)

Redação, Estadão Conteúdo

15 de setembro de 2020 | 12h55

Toshiro Muto, CEO da Olimpíada de Tóquio e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), não comentou um estudo da Universidade de Oxford, que aponta que os Jogos a serem disputados ano que vem serão os mais caros da história. O levantamento feito pelo economista Bent Flyvbjerg indica que os custos atingiram US$ 15,8 bilhões (cerca de R$ 83,6 bilhões), dobrando a previsão inicial de US$ 7,3 bilhões e superando Londres-2012 com US$ 14,9 bilhões.

Os organizadores de Tóquio-2021 admitiram o gasto de US$ 12,6 bilhões, mas Flyvbjerg afirmou que os números ainda serão maiores até o início dos Jogos em 23 de julho. O encerramento está previsto para 8 de agosto.

"Bem, estou ciente do relatório na mídia. Mas não houve uma declaração oficial do comitê organizador de Tóquio", afirmou Muto, nesta terça-feira, em entrevista coletiva on line. "Portanto, não estou em posição de fazer qualquer comentário sobre isso. Estou simplesmente confuso."

Publicado na revista "Meio Ambiente e Planejamento A: Economia e Espaço" com o título "Regressão para a cauda: Por que as Olimpíadas explodem", o texto revelou que o aumento dos custos da Olimpíada em Tóquio foram de mais de 200%, enquanto nas edições anteriores a média foi de 170%. Outro ponto de destaque do artigo é o fato de que os gastos continuam aumentando apesar dos cortes realizados na organização por causa da pandemia do novo coronavírus.

O vice-presidente do COI, John Coates, que supervisiona o planejamento para Tóquio, também se esquivou e não comentou o estudo. "Eu acho que tenho coisas mais produtivas para fazer com meu tempo do que analisar esse relatório e responder a ele", disse ao Australian Jornal Financial Review nesta terça-feira.

Flyvbjerg obteve uma resposta semelhante do COI quando o relatório foi publicado não oficialmente há alguns dias. O COI criticou seu trabalho, questionou os números e metodologia. Em resposta, o economista enviou uma carta aberta ao presidente do COI, Thomas Bach, oferecendo detalhes, mas não obteve retorno.

Na carta, Flyvbjerg afirmou que os Jogos exigem muito financeiramente das cidades e que no futuro muitos locais vão se negar a organizar as competições por causa da dívida alta que assumem. Segundo ele, o COI deveria pagar pelo menos 10% do valor que excede o orçamento inicial.

"Somos grandes fãs dos Jogos e esperamos que o COI consiga torná-los novamente atraentes para as cidades-sede, principalmente por ajudar a efetivamente reduzir custos e estouros de custos", escreveu Flyvbjerg. "Isso deveria ter acontecido anos atrás, em nossa opinião, mas antes tarde do que nunca."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.