Países asiáticos mudam planos de festa da tocha por tensão

Principal preocupação é com a possibilidade de manifestos violentos como os acontecidos na Europa

KAMRAN HAIDER, REUTERS

15 de abril de 2008 | 12h30

Paquistão e Índia alteraram seus planos para receber o revezamento da tocha olímpica por preocupações com a segurança e com protestos anti-China na véspera do lançamento da passagem da chama pela Ásia e pela Austrália. Veja também: Eu faria de novo na China, diz atleta da 'força negra' em 1968 Exilados do Tibete e polícia em conflito por tocha, na Índia Os protestos e a ligação histórica com os Jogos Olímpicos A passagem da tocha acesa pelos nazistasA tocha, que roda o mundo antes dos Jogos Olímpicos de Pequim que começam em agosto, tornou-se um ímã para protestos contra as políticas chinesas, em particular a repressão a manifestações de monges no Tibete no mês passado. A chama chegará a Islamabad na quarta-feira, na primeira perna do revezamento pela Ásia, enquanto segue seu caminho para Pequim. A passagem da tocha provocou protestos em San Francisco, Londres e Paris, onde manifestantes tentaram apagar a chama e forçaram os organizadores a esconderem o fogo para protegê-lo dos ataques. Autoridades do Paquistão, aliado próximo da China, disseram que não esperam protestos no país, mas alteraram o local para a passagem da tocha por razões de segurança. "Como não há ameaça, mas, obviamente, por causa do envolvimento geral de segurança, nós não queremos dar uma chance", disse o tenente-coronel Baseer Haider, porta-voz da Associação Olímpica do Paquistão. A entidade olímpica esperava levar a tocha pela principal avenida de Islamabad, em frente ao parlamento, mas o evento agora será realizado dentro de um estádio esportivo. A Índia também mudou a rota de seu revezamento da tocha na quinta-feira, temendo manifestantes pró-Tibete. O trajeto final ainda será anunciado, mas a imprensa local disse que a tocha percorrerá menos que um terço do caminho original de 9 quilômetros em uma região com segurança reforçada em Nova Délhi. "A rota foi reduzida... Estamos nos reunindo agora para decidir todos os planos", disse Randhir Singh, secretário-geral da Associação Olímpica Indiana.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008OLimpíadastocha olímpica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.