Paquistão muda trajeto de tocha para evitar protestos

Comitê local tirou do caminho a passagem pelo centro político justamente para evitar qualquer associação

Agência Estado

14 de abril de 2008 | 09h58

O caminho da tocha olímpica no Paquistão foi alterado para evitar protestos contra a China, informou nesta segunda-feira Arif Hassan, presidente do comitê olímpico do país. O revezamento do fogo olímpico acontecerá nas ruas de Islamabad, na quarta-feira.Veja também: O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo  Os protestos e a ligação histórica com os Jogos Olímpicos Tocha olímpica atravessa a Tanzânia sem incidentesA tocha, inicialmente, passaria pelo centro político da capital paquistanesa, mas teve seu trajeto alterado para evitar associação entre os Jogos Olímpicos e política. De acordo com Hassan, um forte esquema de segurança foi preparado para evitar que manifestantes se aproximem do fogo, ou mesmo tentem apagá-lo como aconteceu em Londres e Paris."Sentimos que seria mais fácil administrar o evento desta forma. Estamos prontos para receber a tocha com harmonia, e compartilhar o sonho olímpico", disse o dirigente.A causa principal dos protestos na passagem da tocha olímpica pelas cidades é o conflito entre chineses e tibetanos. Os manifestantes protestam contra o desrespeito aos direitos humanos, por parte da China. Líderes nacionais de vários países já ameaçaram boicote à Olimpíada, que será disputada em Pequim, entre 8 e 24 de agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008Olimpíadastocha olímpica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.