Para Carl Lewis, dia da aposentadoria foi o mais feliz

Ex-corredor conta que não olha para o passado e nem compara os tempos atuais com os de quando corria

PAUL MAJENDIE, REUTERS

21 de agosto de 2008 | 23h44

O norte-americano Carl Lewis conquistou nove medalhas de ouro, tornando-se um dos maiores atletas olímpicos do século 20, mas o momento que guarda como sendo o mais feliz de sua carreira foi o dia de sua aposentadoria. "Em Atlanta eu ganhe o ouro no salto em distância e, eu me lembro, quando eu deixei o pódio senti que o desejo de competir havia ido embora", disse Lewis à Reuters. "A aposentadoria foi tranqüila, por era o meu momento", disse. "Dou uma resposta estranha para a questão de qual foi meu dia mais especial - o dia em que eu parei." "Quando eu quis me aposentar, estava totalmente pronto. Pude olhar para trás em minha carreira e dizer, Deus, foi 10 vezes mais do que eu jamais havia imaginado e agora, tudo bem ir para uma outra fase." Lewis dividia o título de esportista olímpico de maior sucesso da história com o nadador americano Mark Spitz, com o corredor finlandês Paavo Nurmi e com a ginasta russa Laryssa Latynina. Mas a marca foi superada em Pequim pelo nadador americano Michael Phelps e Lewis não é dado a nostalgia. Ele não esteva nem perto do Ninho de Pássaro, sede do atletismo olímpico em Pequim. "Meu tempo acabou. Quanto assisto a uma corrida, não tem nada a ver com o que eu fazia. Eu simplesmente vivo o agora quando se trata de esportes", disse o americano. Quando pressionado a apontar sua medalha favorita, Lewis sempre escolhe aquela que foi retirada de Ben Johnson depois que o antidoping do canadense deu positivo, nos Jogos de Seul-1988, pois isso dá uma mensagem ao mundo: "Eu decidi não trapacear." Enquanto ele entregava prêmios a crianças por suas realizações na elegante Casa dos Estados Unidos nos Jogos de Pequim. muito do zumbido ao redor era sobre o jamaicano Usain Bolt, que acabara de conquistar a dupla vitória nos 100 e 200 metros, feito que havia sido alcançado pela última vez por Lewis nos Jogos de 1984-Los Angeles. O ex-atleta de 47 anos reluta em falar sobre o feito de Bolt, mantendo-se no trabalho para seus patrocinadores. "Eu não o conheço, nunca o encontrei, apenas o vi correr uma vez e realmente não posso comentar sobre ele. E tem mais, eu sou um cara da Nike e cruzo linhas", disse. Bolt é patrocinado pela marca esportiva Puma. Perguntado sobre a prova dos 200 metros, que viu depois, em uma gravação, ele disse: "Foi uma corrida incrível. Isso é tudo o que posso dizer sobre isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.