Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Para COI, investimento nos Jogos do Rio vai favorecer a economia

Presidente da entidade afirma que evento será um catalisador para o crescimento e destaca o quanto a imagem do País será projetada

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2015 | 15h29

Os problemas econômicos pelos quais o Brasil está passando têm sido motivo de atenção do Comitê Olímpico Internacional (COI). Nesta quarta-feira, o presidente da entidade, Thomas Bach, disse que monitora a situação e acredita que os investimentos para a Olimpíada podem servir como "catalisador" para o crescimento do País. Bach, contudo, alertou para a "perda de confiança" que o Brasil sofrerá caso venha a ter problemas com a organização do evento.

"Nesse momento os Jogos podem funcionar como catalisador de crescimento futuro, porque se parássemos agora o investimento em transporte no Rio perderíamos a oportunidade de crescimento, se parassem os investimentos em hotéis haveria impedimento de crescimento no futuro, se houver problema de organização, seu país perderia a confiança de todos os investidores em todo mundo, que diriam que aqui não se está tendo bom desempenho", comentou o dirigente.

As declarações de Bach foram dadas pela manhã na sede do Comitê Rio, durante sabatina com cerca de 100 universitários. O dirigente respondeu a um estudante que questionou se a entidade não se preocupava com o momento econômico pelo qual o Brasil passa, incluindo a série de denúncias envolvendo empreiteiras e a Petrobrás.

"Claro que estamos observando essa situação com muito cuidado, porque obviamente somos parceiros do seu País e não apenas um grupo que vem aqui e diz ''por favor, organizem bem os Jogos'' para depois irmos embora sem nos preocupar mais", afirmou Bach.

"Nesses períodos desafiadores - com a queda do preço do petróleo, a taxa de câmbio da sua moeda, o cenário econômico mundial - há sempre uma situação política em que é preciso estabelecer prioridades, o que fazer agora para melhor se preparar para o futuro. É essa situação que sua presidente e seu governo estão enfrentando", avaliou.

Na segunda-feira, Bach e outros dirigentes do COI foram a Brasília para um encontro com a presidente Dilma Rousseff. "Discutimos longamente muitas questões focadas nos Jogos e nos preparativos. A discussão foi um pouco como aqui, muito focada no legado."

O dirigente defendeu os gastos com a Olimpíada. "Investimento e confiança podem estabelecer um exemplo sobre como o País está determinado a sair da crise e estimular o crescimento e empregos de modo a melhorar a situação", considerou. "Mas isso não é fácil, porque ao mesmo tempo é preciso fazer corte em outros projetos que talvez sejam adiados ou talvez tenha que espera mais tempo até que se tenha uma recuperação da economia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.