Para seleção, bronze permite voltar de 'cabeça erguida'

Para os jogadores, apesar da decepção da perda do ouro, medalha bronze é importante

EFE

22 de agosto de 2008 | 16h18

Os jogadores da seleção masculina de futebol avaliaram nesta sexta-feira, 22, após a vitória por 3 a 0 sobre a Bélgica, que a medalha de bronze conquistada nos Jogos Olímpicos de Pequim permite retornar ao Brasil "com a cabeça erguida".   Veja também: Brasil ganha da Bélgica - 3 a 0 - e fica com bronze no futebol  Ronaldinho e Dunga pedem valorização da medalha de bronzeA campanha brasileira na Olimpíada de Pequim             "Após ganhar mais uma medalha olímpica para o nosso futebol, com certeza, os brasileiros vão compreender melhor nossa derrota para a Argentina", disse à Efe o atacante Jô.   Para ele, apesar das críticas por não ter alcançado a final e o ouro, esta medalha permitirá "voltar ao Brasil com a cabeça erguida".   "Todos trabalharam, correram e se esforçaram", assinalou Jô, para ressaltar a dignidade e o profissionalismo demonstrados pela equipe durante todo o torneio, "tanto em suas vitórias quanto na derrota da última terça-feira".   A criticada participação brasileira nesta edição dos Jogos Olímpicos também foi duramente criticada pela imprensa, que pede a cabeça do técnico Dunga. Ao ser perguntado sobre o tema pela Efe, o técnico respondeu que era preciso "falar com o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira".   Por sua parte, o goleiro Renan se mostrou compreensivo com a situação.   "É normal", assegurou. "Há muita pressão no Brasil, não só sobre Dunga, mas sobre nós, os jogadores". "No Brasil há muita pressão em relação ao ouro, é preciso vencer sempre, mas no futebol há outras equipes, como a própria Argentina, que sempre estão muito fortes e também buscam os resultados. Infelizmente ficamos de fora da final, mas conseguimos um bronze, que para nós é importante", afirmou Renan.   "É importante, porque são 15 mil os atletas que participam dos Jogos Olímpicos, e todos buscaram uma medalha", assinalou. "Nós desejávamos muito o ouro, pois o Brasil nunca tinha tido a oportunidade, mas o bronze para nós também foi importante". Por sua parte, o meia Anderson, do Manchester United, declarou aos jornalistas que todos na equipe têm a "consciência limpa".   "Claro que para os jogadores é triste (não chegar à final), ninguém queria perder para a Argentina. Mas é preciso trabalhar, e o resultado foi a medalha conseguida hoje", disse.   Sobre a partida de hoje, Renan disse à Efe que estava "muito contente por ter ajudado a equipe a sair de campo com um bom resultado"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.