Ricardo Bufolin/Pinheiros
Ricardo Bufolin/Pinheiros

Para técnico, Brasil não tem condição de fazer seletiva olímpica única

Albertinho fala sobre classificação da natação para Olimpíada

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

13 de abril de 2016 | 07h00

O Troféu Maria Lenk, entre 15 e 20 de abril, será a segunda e última chance de os nadadores brasileiros se garantirem na Olimpíada do Rio. É o caso de Cesar Cielo, que teve um desempenho ruim nos 100 metros livre e abandonou o Torneio Open, em dezembro, em Palhoça (SC). 

O formato de classificação neste ciclo olímpico deve-se à ideia de colocar mais pressão nos competidores por um resultado imediato. No entanto, a comissão técnica reconhece que o Brasil ainda não está preparado para repetir os Estados Unidos e estabelecer apenas um dia decisivo. 

"O Brasil ainda não tem condição de fazer seletiva única. Temos um grupo imperdível, por isso, estabelecemos o número de duas provas", explica Alberto Pinto da Silva, o Albertinho, técnico da seleção masculina.

O nadador Guilherme Guido, especialista nos 100 metros costas, concorda com o conceito. "Sou a favor de fazer uma seletiva só, mas infelizmente a gente não tem peças de reposição. Então, duas seletivas é um número ideal."

O critério também foi aprovado por João Luiz Gomes Junior, que tem índice olímpico nos 100 metros peito. "Acho ótimo enxugar o número de seletivas porque faz o time que estará na Olimpíada ser mais preparado", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.