Lionel Bonaventure/AFP
Lionel Bonaventure/AFP

Paris garante a realização dos Jogos em 2024 'aconteça o que acontecer' em Tóquio

Estanguet evitou opinar se os atletas deveriam ser vacinados como prioridade e considerou que o respeito pela distância e padrões de proteção devem ser suficientes para evitar contágios

Redação, Estadão Conteúdo

27 de janeiro de 2021 | 09h38

O presidente do Comitê de Organização da Olimpíada de Paris/2024, Tony Estanguet, garantiu que os Jogos serão realizados "aconteça o que acontecer" este ano em Tóquio. Segundo o dirigente, um novo atraso no início das competições no Japão teria "um impacto bastante limitado". Em entrevista publicada nesta quarta-feira no jornal francês Le Monde, Estanguet acredita que Tóquio vai conseguir organizar os Jogos este ano, após o adiamento ocorrido no ano passado por causa da pandemia da covid-19.

Mas o dirigente alertou que as competições só terão início em 26 de julho de 2024 na capital francesa "se as condições permitirem", mas sem interferência caso ocorra um novo atraso ou cancelamento em Tóquio. "Nossos jogos serão realizados em 2024, aconteça o que acontecer em Tóquio. Eu quero que esses Jogos ocorram, porque eles vão criar uma dinâmica forte, mas Paris/2024 não está ligada ao destino de Tóquio."

Estanguet evitou opinar se os atletas deveriam ser vacinados como prioridade e considerou que o respeito pela distância e padrões de proteção devem ser suficientes para evitar contágios.

Os organizadores dos Jogos de Paris agora estão trabalhando nas cerimônias de abertura e encerramento, que Estanguet deseja que não se desenvolvam apenas no estádio olímpico e que possam ser realizadas, em parte, também no centro de Paris.

O presidente do comitê de Paris/2024 reconheceu que a pandemia prejudicou o acerto de contrato com patrocinadores, mas está confiante de que, ao longo do ano, 60% do valor estimado possa ser obtido com os parceiros dos Jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.