Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Patrimônio de Carlos Nuzman cresceu 457%, aponta MPF

Presidente do Comitê Olímpico do Brasil foi preso nesta quinta-feira no Rio

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2017 | 09h35

O presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, teve crescimento "exponencial" de seu patrimônio entre 2006 a 2016: 457%,  segundo o Ministério Público Federal (MPF). Só em 2014, o patrimônio de Nuzman dobrou, com um acréscimo de R$ 4,2 milhões. Os bens de Nuzman incluem 16 barras de ouro, depositadas em um cofre na Suíça, segundo denúncia dos procuradores federais à Justiça. O cartola foi preso nesta quinta-feira, 5, pela Polícia Federal, na Operação Unfair Play - Segundo Tempo

+ PF prende Nuzman e ex-diretor do COB no Rio

+ COI diz que já iniciou investigação e admite que poderá suspender Nuzman

De acordo com o MPF, "chama a atenção o fato de que, desse valor, R$ 3.851.490,00 são decorrentes de ações de companhia sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, conhecido paraíso fiscal." As informações foram obtidas com a quebra do sigilo fiscal do presidente do COB. O MPF destaca ainda que as declarações de Imposto de Renda de Nuzman não registram a sua remuneração recebida do COB ou do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de 2016

PERFIL: Nuzman atraiu empresas e dinheiro público para o COB

"Por outro lado, Nuzman justifica a origem de seu patrimônio a partir do recebimento de valores de pessoas físicas e do exterior. Contudo não há explicações sobre quem efetivamente lhe remunerou.  Não há indicação de empresas ou de CPFs que permitiriam a real constatação da origem (e legitimidade) dos recursos que formam seu patrimônio", afirma o MPF.

Os procuradores alertam que a situação é agravada com a retificação da declaração do Imposto de Renda realizada poucos dias após a deflagração da Operação Unfair Play. Na ocasião, Nuzman foi intimado a comparecer na Polícia Federal. Também foram realizadas buscas e apreensões em sua residência e empresas.  

"Com efeito, Carlos Nuzman mantinha recursos ocultos no exterior e somente os declarou à Receita Federal por meio de retificação da DIRPF na data de 20/09/2017, ou seja, após a deflagração da Operação Unfair Play. Ciente das apreensões realizadas em sua residência, inclusive de informações e elementos que levariam ao conhecimento de tais bens no exterior, Carlos Nuzman tentou regularizar sua situação", diz a denúncia.

 

Um dos objetos apreendidos pela equipe da Lava Jato foi uma chave que os procuradores desconfiam que pode corresponder a um cofre do presidente do COB na Suíça. Ela estava guardada junto a cartões de visita de agentes que trabalham com "serviço de locação". "Sabendo dessa apreensão, Nuzman tentou adiantar-se para evitar que as barras de ouro possivelmente depositadas no aludido cofre fossem descobertas pelas investigações. Segundo o MPF, Nuzman teria feito retificações em sua declaração para incluir valores em dinheiro vivo, bem como as barras de ouro de 1 KG cada.

O Estado ainda não conseguiu contato com a defesa do ex-presidente do COB, para que comente a denúncia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.