Rafael Neddermeyer/Divulgação
Rafael Neddermeyer/Divulgação

Patrocinador e COB apostam em 'vaquinha online' para estimular projetos olímpicos

Portal de financiamento estará disponível a partir de 7 de abril

NATHALIA GARCIA, O Estado de S. Paulo

29 de março de 2016 | 16h53

O esporte brasileiro ganha um novo meio de captação de recursos: a ajuda dos fãs. A plataforma pública de financiamento #coletivodoEsporte, pré-lançada nesta terça-feira pela Microsoft, em parceria com o Comitê Olímpico do Brasil (COB) e com o Comitê Paralímpico do Brasil (CPB), tem como objetivo ampliar a arrecadação para projetos esportivos e de inclusão social.

O portal do sistema de crowdfunding, a popular "vaquinha", estará disponível a partir do dia 7 de abril, quando faltarão 120 dias para o início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. A estreia da iniciativa contará com dez projetos já cadastrados, todos liderados por ex-atletas e treinadores como foco na formação de novos talentos. Os projetos paralímpicos ainda estão sendo analisados e ficarão à disposição do público posteriormente.

Os trabalhos que dão início ao programa são: "Mar de Oportunidades", de Torben Grael, "Basquete e Cidadania, de Janeth, "Correndo pelo Mundo", de Vanderlei Cordeiro de Lima, "União de Esporte, Valores e Muita Alegria", de Bernardinho, "Atletas Inteligentes", de Jackie Silva, e "Novo Futuro Campeão", de Robson Caetano, além dos projetos de Flávio Canto, Gustavo Kuerten, Georgette Vidor e Lais Souza.

"Escolhemos os projetos que achamos que trazem resultado para o Brasil hoje e no futuro. Esse é um projeto para pelo menos 20 anos, acredito que o efeito já será sentido em Tóquio-2020. Na curadoria inicial, selecionamos projetos que já tinham resultado lá em cima. A ideia é fazer muita diferença a partir de 2020", afirma Marcus Vinícius Freire, diretor executivo de Esportes do COB.

O projeto aposta principalmente na colaboração da pessoa física, que poderá fazer uso do abatimento fiscal em Imposto de Renda pela lei de incentivo ao esporte. O desconto é de 6% para o cidadão e de 1% para pessoas jurídicas. O cálculo do benefício pode ser simulado em uma calculadora virtual no próprio site. Negociações estão em andamento para que o Ministério do Esporte emita o comprovante da doação.

Caso uma meta não seja alcançada, a Microsoft não descarta ajudar as propostas. "Nós vamos ser parceiros até o fim, mas acredito que vai sobrar", afirma Paula Bellizia, presidente da Microsoft Brasil. O projeto de Torben Grael, por exemplo, conta com uma proposição de R$ 120 mil. O destino do dinheiro pedido e possíveis sobras ficarão registrados na descrição de cada projeto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.