Patrocinadores não sabiam de lesão do chinês Liu Xiang

Empresas como Nike e Coca-Cola se surpreendem com a contusão do atleta nos Jogos de Pequim

EFE,

19 de agosto de 2008 | 06h00

Os patrocinadores da delegação da China disseram que só souberam da lesão do atleta Liu Xiang, favorito ao ouro nos 110 metros com barreiras, quando ele abandonou a disputa da eliminatória da prova nos Jogos Olímpicos de Pequim.Veja também: Principal ídolo chinês sente contusão e abandona prova Na TV, Liu Xiang pede desculpas por frustrar chinesesMassimo Giunco, porta-voz da Nike, disse que até agora a empresa de material esportivo não foi informada oficialmente da situação do corredor."Estávamos no Estádio Nacional entusiasmados por ele, como os demais. Sentimos decepção e, ao mesmo tempo, solidariedade por ele. Mas este é o mundo do esporte e sabemos que algo assim poderia acontecer", completou.Giuco também garantiu que a empresa não irá romper o contrato com Liu. "Liu Xiang continua sendo um herói global para nós, assim como Tiger Woods, Rafael Nadal e Roger Federer", afirmou.A Nike já mudou até o enfoque da sua campanha publicitária nos jornais e revistas chineses. Os novos anúncios apresentam o rosto do atleta e o texto "Amor à competição, amor à dignidade, amor à honra, amor ao fracasso. Enfim, amor ao esporte, apesar da dor".A Coca-Cola também se surpreendeu com a lesão do atleta chinês, segundo Kenth Kaerhoeg, diretor de comunicação da empresa."Nós acompanhávamos a prova pela televisão e aí vimos o que aconteceu. Não sabíamos que Liu estava lesionado", disse Kaerhoeg, que garantiu que o contrato com o corredor será mantido."A empresa o vê como uma inspiração para os torcedores e consumidores chineses, não só pelo que faz dentro dos estádios, mas fora. É uma inspiração para milhões e milhões de fãs e não vamos mudar nada. Continuaremos apoiando-o", acrescentou.Por outro lado, fontes do setor publicitário disseram que a retirada de Liu na prova foi "quase" trágica."Não é um desastre, mas chega perto. É o 'Michael Phelps' chinês", disse Christopher Renner, presidente da agência de publicidade esportiva Helios Partners China.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.