Pequim diz que não há razão para duvidar da qualidade do ar

Diretor de instituto medidor garante que o país vai cumprir o compromisso meio ambiental que assumiu

EFE

27 de fevereiro de 2008 | 11h40

O Governo de Pequim afirmou nesta quarta-feira que "não há muitas razões para duvidar" que a qualidade do ar da capital chinesa durante os Jogos Olímpicos de 2008 "cumprirá as exigências da Organização Mundial da Saúde (OMS)", o que lhe levou a pedir um voto de confiança dos atletas que participarão do evento. Esta afirmação foi feita em uma entrevista coletiva do subdiretor do Birô de Proteção Meio Ambiental de Pequim, Du Shaozhong, ao ser pedida a opinião sobre os planos de alguns atletas olímpicos de viajar para a capital chinesa o mais tarde possível para evitar desta forma a poluição da cidade. "Cumpriremos o compromisso meio ambiental assumido quando Pequim foi escolhida como sede olímpica", declarou Shaozhong, apesar de afirmar que os objetivos serão alcançados caso "as condições ambientais" sejam "normais" nos meses anteriores e durante os Jogos. "As estatísticas demonstram que em agosto - mês em que acontecerão os Jogos - chove e surgem correntes de ar" em Pequim, fatores que "favorecem a melhora da qualidade do ar", acrescentou o dirigente, que disse que "em janeiro e fevereiro" já puderam ser observados avanços "drásticos" nesta direção. Shaozhong afirmou que desde 1998, ano no qual as autoridades chinesas começaram a tomar medidas contra a poluição, a qualidade do ar em Pequim "melhorou ano após ano" e os dias "de poluição aceitável" subiram de 100 para 246. "A quantidade de dióxido de enxofre no ar de Pequim diminuiu 60,8% desde então, a de monóxido de carbono 39,4% e a de dióxido de nitrogênio 10,8%", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008poluiçãomeio-ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.