Pequim estipula multa de até US$ 715 para fumo em locais proibidos

A partir de 1º de maio, não será permitido fumar em centros esportivos, sanitários e educativos

Efe,

24 de abril de 2008 | 03h48

Pequim vai punir com multas que variam entre US$ 0,14 e US$ 715,53 as pessoas que infringirem as novas leis que proíbem o fumo em locais públicos. A legislação entrará em vigor no dia 1º de maio com vistas aos Jogos Olímpicos. Veja também: O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo  Busca por ingressos olímpicos aumenta apesar de protestos Quatro pessoas são presas na passagem da tocha pela Austrália Esses valores foram anunciados nesta quinta-feira, 24, pelo Comitê Municipal de Pequim para a Campanha de Saúde Patriótica em uma nota de imprensa. No entanto, o organismo não especificou as circunstâncias nas quais estas multas serão aplicadas nem o valor predeterminado para cada caso. A partir de 1º de maio, não será permitido fumar em centros esportivos, sanitários e educativos. A medida também vale para cinemas, conservatórios, museus, bibliotecas, lojas, centros de negócios, escritórios dos correios, ônibus, trens, táxis ou locais considerados patrimônio cultural chinês. Além disso, serão criadas áreas para fumantes em parques, aeroportos e estações de transporte público e em locais como restaurantes, hotéis e escritórios. Em entrevista coletiva em Pequim, o subdiretor do comitê, Sun Xuanli, assegurou que 60 mil "supervisores de controle do tabaco" velarão pelo cumprimento da nova lei, um número que chegará a 100 mil num futuro próximo. Explicou que as disposições têm como objetivo cumprir as propostas da Organização Mundial da Saúde (OMS), realizar Jogos Olímpicos "livres de fumaça" e estabelecer espaços públicos sem tabaco. Sun lembrou que mais de 100 mil fumantes passivos morrem por ano na China. Além disso, segundo o Ministério da Saúde chinês, morrem no país um milhão de pessoas por ano em decorrência de problemas relacionados com o tabagismo.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008jogos olímpicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.