Pequim nega envolvimento de grupo terrorista em atentados

Autoridades da China negam que o Partido Islâmico do Turquestão tenha atacado o país nos últimos meses

EFE,

26 de julho de 2008 | 10h39

Autoridades chinesas negaram neste sábado que o Partido Islâmico do Turquestão tenha perpetrado cinco atentados nos últimos meses no país e disseram que a reivindicação do grupo separatista uigur não era verdadeira.Veja também: Grupo islâmico reivindica explosões na China e ameaça os JogosEm um vídeo, um comandante do Partido Islâmico do Turquestão reivindicou a autoria de cinco ataques, entre eles a explosão em um ônibus de Xangai no dia 5 de maio (três mortos) e as três bombas em diferentes ônibus de Kunming, sul da China, onde morreram duas pessoas.Horas depois de a organização norte-americana InterlCenter, dedicada ao rastreamento de grupos terroristas internacionais, divulgar esta reivindicação, as autoridades chinesas a desmentiram, alegando que os ataques, embora "deliberados", não respondiam à pauta de "atentados terroristas".No vídeo, aparentemente feito no dia 23 de julho, o grupo uigur assegura que seu objetivo é atacar os pontos mais críticos relacionados com os Jogos Olímpicos, "atingindo importantes cidades chinesas gravemente, usando táticas nunca antes empregadas".O Partido Islâmico do Turquestão ameaça fazer uso de terroristas suicidas e até mesmo de armas biológicas, e aponta como alvos pontos turísticos, áreas de lazer, hotéis, aeroportos e estações de trem.Alguns analistas asseguram que o Partido Islâmico de Turquestão é, na verdade, a organização Partido Islâmico do Turquestão Oriental, a principal organização separatista uigur, que a China considera uma de suas maiores ameaças terroristas.O Turquestão Oriental é o nome usado pelos grupos separatistas para se referir a Xinjiang, região autônoma no noroeste da China onde vive uma grande população muçulmana.Grupos de direitos humanos acusam a China de usar a guerra contra o terrorismo nessa região para aumentar sua repressão contra a população muçulmana.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.