Pequim organiza doação de sangue para a Olimpíada

Organização do evento quer criar estoque do tipo RH negativo para os Jogos, mas a oferta é pequena

EFE

21 de janeiro de 2008 | 09h32

Pequim iniciou uma campanha de doação de sangue do tipo RH negativo para abastecer os serviços de saúde durante os Jogos Olímpicos, informou nesta segunda-feira a imprensa local. A campanha conseguiu recolher 11,2 litros no fim de semana procedentes de 33 doadores considerados aptos para doar sangue, dentre as 70 pessoas que se apresentaram como voluntários. Encontrar doadores do tipo RH negativo entre os chineses é uma tarefa bastante complexa, já que, segundo o jornal Beijing News, apenas 0,4% da população chinesa se encaixa neste grupo. Entre as pessoas brancas, este índice chega a 15%. A campanha faz parte das atividades destinadas a comemorar os 200 dias para o início dos Jogos. Está prevista outra campanha semelhante quando a contagem regressiva do relógio olímpico marcar os 100 dias para o início do evento. Pequim pretende contar com 800 unidades de sangue RH negativo para os Jogos. No final de 2007 contava com 600, por isso a Cruz Vermelha da capital chinesa tem muito trabalho pela frente nestes seis meses que restam até os Jogos. Os 33 doadores que já participaram da campanha receberam em troca um mascote olímpico e outras lembranças vinculadas aos Jogos de Pequim 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008doação de sangue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.