Pequim pensa em relaxar a censura na internet durante Jogos

Meta dos organizadores é facilitar o trabalho dos sites na transmissão das informações do evento esportivo

Efe,

05 de fevereiro de 2008 | 10h40

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de 2008 (BOCOG) reconheceu nesta terça-feira que China está pensando na possibilidade de relaxar a censura que aplica a milhares de sites durante a realização do evento esportivo com o intuito de facilitar o acesso à informação aos jornalistas estrangeiros. Segundo informações dadas à imprensa por Wang Hui, diretora do departamento de relações públicas do BOCOG, se estuda esta possibilidade, o que faz com que "possa acontecer mudanças durante os Jogos". Wang afirmou que o BOCOG escutou sugestões sobre o assunto feitas por alguns jornalistas e estuda a experiência de outros países. A dirigente acrescentou que caso se confirme a mudança, esta "seria uma das formas de fazer com que os Jogos Olímpicos possam promover o progresso na China". O país, com 210 milhões de internautas, está perto de superar os EUA e de se tornar a maior comunidade de usuários da grande rede, apesar do bloqueio que sofrem milhares de sites. A organização dos Jogos Olímpicos serviu, por enquanto, para relaxar os limites aos jornalistas estrangeiros que trabalham na China, dando a eles maior facilidade para realizar entrevistas e cobrir eventos em regiões remotas, embora esta "trégua olímpica" às vezes não seja cumprida, denunciam os próprios repórteres.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008internet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.