Pequim promete ar puro após desistência de Gebrselassie

A China informou na terça-feira que podegarantir ar limpo para os Jogos Olímpicos, um dia depois que omaratonista detentor do recorde mundial Haile Gebrselassie terdito que não competiria em agosto por temer a poluição dePequim. Zhang Lijun, vice-chefe da Administração de ProteçãoAmbiental do Estado (Sepa, na sigla em inglês), disse que tinhaplena confiança nos planos antipoluição feitos para a capital ecinco províncias vizinhas. "Nossos especialistas previram que o padrão de qualidade doar pode ser garantido e que o compromisso que fizemos serácumprido depois que este plano for realizado", disse Lijun emcoletiva de imprensa durante a sessão anual do CongressoPopular da China. O etíope Gebrselassie, que, mesmo asmático, tem o recordemundial dos 42 km, desistiu da maratona dos Jogos Olímpicos dePequim na segunda-feira, por temer que a poluição afete suasaúde. Ele foi o último de uma longa série de atletas e oficiaisque demonstraram preocupação em relação às condições do ar nacidade. O presidente do Comitê Olímpico Internacional, JacquesRogge, disse no ano passado que provas como maratona e ciclismopoderiam ser remarcadas se a condição do ar estivesse muitoruim. Zhang disse que o plano de reduzir poluentes industriais emPequim, Tianjin, Hebei, Shanxi, Shansong e no interior daMongólia está sendo posto em prática em duas fases. "Por enquanto, a missão de reduzir a poluição e ajustar aestrutura industrial já foi feita amplamente, e vai sercompletada no final de junho", acrescentou. Um colega de Zhang, Wang Jian, disse à Reuters, no mêspassado que a segunda fase começaria com a inauguração da vilaolímpica em 27 de julho e continuaria até o fim dasParaolimpíadas, em 20 de setembro. Gebrselassie, 35, decidiu abandonar a maratona porrecomendação médica, mas vai tentar se qualificar para os10.000 metros, prova que ele venceu em duas Olimpíadas. Os organizadores dos Jogos de Pequim disseram também naterça que estavam confiantes na eficácia das medidas decontingência, graças aos 120 bilhões de iuanes (16,89 bilhõesde dólares) investidos em melhorias ambientais na últimadécada. (Reportagem de Liu Zhen e Nick Mulvenney)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.