Pequim promete melhores condições climáticas nos Jogos

Diretor do birô meteorológico diz que pode tentar manipular o tempo para forçar chuvas, se necessário

EFE

30 de janeiro de 2008 | 11h09

O Birô Meteorológico de Pequim afirmou nesta quarta-feira que é quase impossível que a cidade sofra com condições climáticas extremas durante os Jogos Olímpicos, em agosto, apesar de a China passar atualmente pelo pior inverno em 50 anos em algumas de suas regiões. Guo Wenli, meteorologista do Birô, disse em entrevista coletiva que a cidade recolheu dados sobre o clima nos últimos 30 anos, afirmando que a probabilidade de condições extremas - por exemplo, grandes chuvas torrenciais que possam causar inundações - é muito pequena. "Em apenas uma ocasião nas últimas três décadas se deu uma situação extrema", disse Guo, sem dar mais detalhes, na entrevista coletiva realizada pelo Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Pequim (Bocog). Desde o dia 10, o centro e o sul da China vêm sofrendo grandes nevadas que já mataram mais de 60 pessoas, com 30 milhões de afetados, centenas de milhares de imóveis derrubados pela neve e prejuízos milionários. Na conferência, a subdiretora do birô meteorológico, Wang Jianjie, disse que a instituição atingiu "plena maturidade" para prever o tempo de uma data importante como 8 de agosto, dia da abertura dos Jogos. Wang destacou que o birô já teve que se encarregar de prever o tempo - e, se for possível, tentar melhorá-lo manipulando as precipitações - em 180 ocasiões nos últimos anos, entre elas a Cúpula China-África de 2006 e a Copa da Ásia de futebol de 2004. Pequim utiliza técnicas para manipular o clima, dentre as quais o bombardeio de nuvens com iodeto de prata para aumentar a condensação e provocar a chuva antes de grandes eventos (para que faça sol durante estes). Também testou técnicas inversas, bombardeando as nuvens com diatomita, um mineral com grande poder de absorção, para impedir a chuva. Wang disse aos jornalistas que a cidade confia plenamente no uso de técnicas "científicas" para a previsão e o controle do tempo e não recorrerá a antigas superstições chinesas, como rezas e preces aos deuses.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008clima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.