Pequim: Rogge considera 'inúteis' máscaras contra poluição

Presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) confia em relatório sobre a qualidade do ar de Pequim

EFE

11 de março de 2008 | 18h00

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), o belga Jacques Rogge, desaconselhou os atletas que competirão nos Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto, a usarem máscaras contra a poluição do ar por considerá-las "totalmente inúteis". Veja também: Blog Daniel Piza: Pequim, cidade permitidaEm declarações publicadas nesta terça-feira exclusivamente pelo jornal britânico Evening Standard, Rogge diz que "o relatório unânime elaborado pela comissão médica do COI mostra que as máscaras não são eficientes".O belga diz não recomendar o uso deste tipo de utensílio pelos atletas e disparou: "Podem fazer o que quiserem, mas eu digo que [as máscaras] são totalmente inúteis".Rogge deu seu parecer depois de o corredor etíope Haile Gebrselassie, que é asmático, ter anunciado que provavelmente não competirá na maratona dos Jogos de Pequim devido ao ar poluído da cidade. Atual recordista mundial da maratona, Gebrselassie tem "99% de chances de não correr" na prova em agosto na China "por causa da umidade e da poluição", segundo confirmou nesta semana seu empresário, Jos Hermens.Rogge disse ao Evening Standard que os últimos dados relativos aos índices de poluição registrados na China convenceram a comissão médica do COI de que os atletas não serão beneficiados pelo uso dessas máscaras.As descobertas do COI serão examinadas pela Associação Olímpica Britânica (BOA, na sigla em inglês), que despertou polêmica ao considerar o uso de máscaras especiais pelos atletas britânicos durante os Jogos, postura que não agradou os organizadores do evento.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.