Pequim tem poucos obstáculos a superar antes dos Jogos

A sete meses da competição, chineses estão com todas as obras praticamente concluídas

Nick Mulvenney, da Reuters,

02 de janeiro de 2008 | 15h48

Os organizadores da Olimpíada de Pequim fizeram de tudo para que nada saia errado na grande festa de revelação da China para o mundo, mas ainda têm alguns obstáculos a superar antes da cerimônia oficial de abertura, no dia 8 de agosto. Com a exceção de uma, todas as 31 sedes de competições já foram concluídas, e até o fim de julho já devem estar em pleno funcionamento o Estádio Nacional, com capacidade para 91 mil pessoas sentadas, um enorme terminal de aeroporto, três novas linhas de metrô e uma rede de novas avenidas. Os Jogos de Atenas, em 2004, foram marcados por inúmeros problemas de última hora, mas em Pequim a história é diferente. A sete meses do início das competições, a cidade está pronta para o maior evento esportivo do mundo. Restam questões como poluição, direitos humanos, liberdade de imprensa e a relação com Taiwan, que não são tão simples de resolver só com dinheiro ou com uma boa estratégia de marketing. "Sabemos que há muitas dificuldades e desafios à frente, e precisamos estar prontos para muitas contingências e problemas em potencial", disse na semana passada o vice-presidente do Comitê Organizador de Pequim, Jiang Xioayu. "Mas, com o apoio de 1,3 bilhão de chineses, estou confiante de que conseguiremos superá-los." O percurso internacional da tocha olímpica, que começa em 1o de abril, será uma oportunidade para que as pessoas que criticam a China o façam diante da atenção da imprensa mundial. "Haverá uma campanha coordenada por parte de todos os grupos de defesa do Tibete e de tibetanos que moram na Europa e na América do Norte nas principais fases do percurso da tocha olímpica", afirmou Matt Whitticase, da Campanha Tibete Livre. A China, que invadiu a região no Himalaia em 1950, está preparada para manifestações em cidades como Paris, Londres e San Francisco, mas espera que a viagem da tocha seja marcada por "harmonia, amizade e paz". Mesmo assim, é pequena a chance de que haja um grande boicote, como aconteceu nos Jogos de Moscou e de Los Angeles, nos anos 1980. Alguns analistas acreditam, no entanto, que Taiwan vai acabar retirando sua delegação. A ilha já atrapalhou os preparativos para a Olimpíada ao aceitar e depois rejeitar a passagem da tocha olímpica por lá.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.