Pequim vai instalar câmeras para controlar qualidade do ar

Poluição do ar em Pequim foi muito criticada, e atletas chegaram a temer uma queda de rendimento nas provas

EFE

17 de julho de 2008 | 11h33

O subdiretor do Escritório de Saúde de Pequim, Yu Luming, anunciou a instalação de câmeras de vídeo que servirão para controlar a higiene dos alimentos e a qualidade do ar nas sedes olímpicas, informou nesta quinta-feira a agência de notícias "Xinhua". O sistema, que custará 20 milhões de iuanes (US$ 2,9 milhões), estará também presente na Vila Olímpica, em hotéis e em setores destinados à imprensa, onde será possível comprovar a qualidade do ar e da água. A poluição do ar em Pequim foi muito criticada, e vários atletas demonstraram preocupação com uma possível queda de produção por causa do problema. As empresas mais poluentes da cidade afirmaram recentemente que estão preparadas para reduzir suas emissões, ou até mesmo suspender suas atividades, para melhorar a qualidade do ar durante os Jogos Olímpicos. A partir do próximo dia 20, as construções em toda Pequim serão paralisadas para evitar que o ar seja impregnado com o pó liberado pelas obras. Zhong Liangxi, chefe do birô municipal responsável pela administração das fontes de poluição, disse recentemente que no fim de junho 1.462 postos de gasolina, 52 depósitos de petróleo e 1.387 caminhões-pipa tinham concluído o projeto de remodelação exigido para combater a poluição. Táxis, caminhões e veículos antigos que não cumpriam os padrões exigidos por Pequim para poder circular sem causar danos severos ao ambiente também foram retirados de circulação. A capital chinesa ainda é uma cidade extremamente poluída, mas as autoridades estão convencidas de que as medidas iniciadas servirão para oferecer um "ar respirável" durante os Jogos Olímpicos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.