Eugene Hoshiko/AP
Eugene Hoshiko/AP

Pesquisa recente mostra rejeição de mais de 80% dos japoneses aos Jogos Olímpicos de Tóquio

Evento tem início agendado para 23 de julho; maioria da população do país asiático apoia cancelamento ou novo adiamento em função da covid-19

Redação, Estadão Conteúdo

17 de maio de 2021 | 10h26

Mais de 80% da população do Japão é contrária à organização e realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 neste ano, após adiamento em 2020 por causa da pandemia do novo coronavírus. O motivo é o mesmo: o avanço da doença em Tóquio e nas imediações da cidade-sede da competição. O descontentamento e medo são mostrados em nova pesquisa publicada nesta segunda-feira, a apenas 10 semanas o início do evento esportivo, no contexto da quarta onda de covid-19 no país.

De acordo com pesquisa realizada pelo jornal japonês Asahi durante o fim de semana e cujos resultados foram publicados nesta segunda-feira, 83% dos japoneses acreditam que os Jogos não devem decorrer como planejado. Dessa percentagem, 40% pensam que a Olimpíada deveria ser novamente adiada, enquanto que 43% preferem que ela seja cancelada. Por sua vez, 14% dos consultados opinam que a abertura, agendada para 23 de julho, deve ser mantida.

A mudança na percentagem a favor do cancelamento dos Jogos foi particularmente significativa em comparação com a sondagem de abril, quando o número se situava em 35%, semelhante aos meses anteriores. Já os que são a favor de manter a programação da Olimpíada reduziram para metade em relação ao mês anterior.

Nove das 47 províncias do país, incluindo Tóquio, estão em estado de emergência sanitária, até o próximo dia 31, por enquanto, devido à quarta onda de casos da covid-19, que mantém o número de doentes em estado crítico em níveis recorde. A vacinação no Japão está progredindo lentamente e o calendário do governo não prevê alcançar a imunidade de grupo até à realização dos Jogos Olímpicos, o que está causando preocupação entre a população antes da chegada de dezenas de milhares de participantes em um país cujas fronteiras estão fechadas aos visitantes. Crca de 11 mil atletas e membros das delegações de 2005 países vão desembarcar em Tóquio.

Os organizadores de Tóquio-2020, as autoridades da capital e o primeiro ministro japonês, Yoshihide Suga, dizem que é possível realizar os Jogos Olímpicos "em segurança", mas essa mensagem não convence 73% dos consultados na pesquisa.

O ceticismo é particularmente elevado entre os idosos. Mais da metade dos japoneses na casa dos 60 anos acredita que os Jogos não devem decorrer como planejado. Uma pesquisa semelhante da agência de notícias japonesa Kyodo indica que 59,7% dos consultados acreditam que Tóquio-2020 deve ser cancelado, em comparação com 25,2% que pensam que deve ser mantido, mas sem a presença do público, enquanto que 12,5% opinam que seria melhor mantê-los com limitações de torcida.

Embora os organizadores já tenham dito que estes Jogos não terão a presença de público vindo do exterior, de acordo com a pesquisa da Kyodo, 87,7% dos consultados estão preocupados que o fluxo de atletas e outros participantes possa agravar a propagação da covid-19 no país. Não há um novo plano para o adiamento dos Jogos neste momento. Eventos-teste estão sendo realizados nas arenas da competição. O COI já informou que qualquer decisão que não seja a realização dos Jogos seria pelo cancelamento em definitivo da disputa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.