Pessoa se diz contente por competir com adversários fortes

Cavaleiro diz que 'ganhar é sempre bom, mas estar presente também é importante'

HONK KONG

21 de agosto de 2008 | 17h53

O cavaleiro Rodrigo Pessoa não conseguiu repetir nos Jogos Olímpicos de Pequim o desempenho de Atenas, quatro anos atrás, quando ganhou a medalha de ouro nos saltos montando o cavalo Baloubet du Rouet, mas disse ter ficado contente por ter competido com adversários tão fortes.     Veja também: Rodrigo Pessoa perde o ouro e o bronze, no desempate   Para Pessoa, que forma conjunto com o cavalo Rufus, "ganhar sempre é bom, mas estar presente também é importante".   "Rufus não podia fazer melhor do que fez. É um cavalo incrível", explicou o cavaleiro ressaltando as habilidades dos rivais, que montavam animais muito mais velozes.   Segundo o brasileiro, o forte calor em Hong Kong, sede das competições de hipismo, não foi o fator determinante para que seu resultado não tenha sido o esperado.   "Acho que o calor foi um fator claro ao longo dos dias que estivemos aqui, mas não determinante", comentou ele, que terminou em quinto lugar na final do salto individual em Pequim.   Outro atleta que esteve presente nesta decisão foi a amazona Camila Mazza, que estreou em Jogos Olímpicos. Ela se mostrou satisfeita por ter se classificado para a final, embora nas eliminatórias tenha ficado entre os 35 melhores cavaleiros.   Camila Mazza obteve sua vaga após quatro participantes terem sido eliminados por casos de doping em seus cavalos, entre eles Bernardo Alves, que monta Chupa Chup.   "Camila é muito boa surpresa", disse Pessoa referindo-se à brasileira que terminou na décima colocação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.