Joel Marklund / EFE
Joel Marklund / EFE

Petrúcio Ferreira conquista ouro e bate recorde da Paralimpíada; Washington Júnior é bronze

Prova dos 100m rasos da classe T47 teve dobradinha brasileira no pódio, e polonês Michal Darus levando a prata

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2021 | 08h07

Petrúcio Ferreira continua sendo o homem mais rápido do esporte paralímpico. Nos Jogos de Tóquio-2020, Petrúcio ganhou a medalha de ouro na prova dos 100m rasos da classe T47, para quem teve um braço amputado, e ainda houve uma dobradinha do Brasil: Washington Júnior levou o bronze. A prata ficou com o polonês Michal Darus. Na prova, o Brasil ainda teve Lucas de Souza, que chegou na sexta colocação.

Na largada, Washington imprimiu um ritmo muito forte. Petrúcio foi se recuperando e assumiu a liderança por volta dos 50 metros, anotando o tempo de 10:53s, novo recorde paralímpico. Darus ficou com o tempo de 10:61s e Washington Ferreira, fazendo muita força no fim, completou o percurso em 10:68s.

Petrúcio é uma das maiores estrelas paralímpicas do Brasil. Campeão e recordista mundial e ouro na Rio-2016, o paraibano de 24 anos foi o porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura da Tóquio-2020, ao lado da jogadora de bocha Evelyn Oliveira.

Após a prova, Petrúcio contou sobre um momento tenso que teve durante a preparação. "No momento difícil acabei tendo uma discussão com o treinador, e peço desculpas. Ele é um cara fenomenal, um pai pra mim. Eu perguntei pra ele: 'você confia em mim', e ele respondeu: 'confio, confio 100%, 200%'", relatou, em entrevista ao SporTV. Ao lado de Washington, os dois disseram ter combinado o funk com a pisadinha na dancinha que fizeram após a conquista das medalhas.

Tendo quebrado o recorde mundial da sua categoria diversas vezes, Petrúcio diz não ver isso como um peso. "Não ponho esses resultados como pressão, mas coloco como um desafio pessoal de buscar o meu melhor, de estar no meu melhor e buscar o meu limite", afirmou ao Estadão antes dos Jogos.

Originário do Rio de Janeiro, Washington Júnior tem uma carreira de respeito: aos 24 anos, é vice-campeão mundial, tendo conquistado a prata em 2019, no Mundial de Doha e agora o bronze paralímpico.

Antes deles, dois brasileiros disputaram a final da classe T37 (para quem tem dificuldades motoras decorrentes de problemas neurológicos), mas sem medalha. Ricardo Costa ficou em 5º lugar e Christian Gabriel chegou em 7º.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.