Phelps se prepara para recorde de medalhas em Pequim

Nadador norte-americano quer superar as sete medalhas de ouro do compatriota Mark Sptiz, em 72

Alan Baldwin, REUTERS

22 de julho de 2008 | 11h48

Como se estivesse numa série de ficção científica, o nadador Michael Phelps quer ir aonde nenhum homem jamais esteve - o que no caso do norte-americano de 23 anos seria ganhar oito medalhas de ouro na Olimpíada de Pequim, superando as sete do compatriota Mark Spitz nas piscinas de Munique-1972. O próprio Spitz acha que está perto de deixar de ser o atleta mais bem sucedido na história olímpica. "Ele será inacreditável", disse Spitz à Reuters durante a seletiva norte-americana neste mês. "Ele vai dar uma aula para o resto do mundo, e vai ser excitante." Antes da Olimpíada de 2004, Spitz declarou: "Se ele [Phelps] ganhar sete medalhas de ouro e igualar o que eu fiz, seria como se eu fosse o primeiro homem na Lua e ele fosse o segundo. Se ele ganhar mais do que sete, ele vai se tornar o primeiro homem em Marte." Em Atenas, seu patrocinador havia prometido a Phelps 1 milhão de dólares caso ele quebrasse o recorde de Spitz. Não deu: o norte-americano conseguiu seis ouros e dois bronzes - mesmo assim, recorde de medalhas para um atleta numa só Olimpíada. No Mundial do ano passado, Phelps evoluiu e saiu da água com sete ouros e cinco recordes mundiais. E ainda poderia ter ficado com oito ouros, caso a equipe dos EUA não tivesse sido desclassificada por causa de uma falha no revezamento, numa prova de medley. Phelps é o primeiro nadador do mundo a quebrar dois recordes mundiais em provas diferentes no mesmo dia. Seu domínio sobre as piscinas é comparável ao de Tiger Woods no golfe ou Roger Federer no tênis. "Acho que para o Michael qualquer coisa é possível", disse neste ano o australiano Grant Hackett, "rei" das provas de longa distância. "Ele sempre parece se destacar em cada prova de que participa, é simplesmente um animal quando se trata de competir", avaliou. Phelps está classificado para oito provas, sendo cinco individuais (200 e 400 metros medley, 100 e 200 borboleta e 200 metros livre) e três revezamentos. Ele precisa de mais quatro ouros em Pequim para superar os atletas que mais receberam medalhas de ouro na história olímpica: Paavo Nurmi (Finlândia), Larissa Latynina (Rússia), Carl Lewis e Mark Spitz (ambos norte-americanos). Phelps começou a nadar aos sete anos, como tratamento contra a hiperatividade. Aos 15 anos, classificou-se para a Olimpíada de Sydney-2000, tornando-se o mais jovem nadador da equipe olímpica norte-americana em 68 anos. Terminou em quinto nos 200 metros borboleta, e seis meses depois, já em 2001, tornou-se o mais jovem recordista mundial na história daquela prova. No mesmo ano, baixou ainda mais seu tempo e levou o seu primeiro Mundial. Em Atenas, ganhou mais medalhas que qualquer outro nadador. Mas, meses depois, sofreu um revés: foi detido por dirigir depois de beber em uma festa universitária em Maryland. Foi condenado a 18 meses de prisão com direito a sursis, e restabeleceu o foco na sua vida. "Não acho que nada seja alto demais [para eu alcançar]", disse ele recentemente. "Quem pensa em fazer o impossível consegue."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.