Abelardo Mendes Jr./rededoesporte.gov.br
Abelardo Mendes Jr./rededoesporte.gov.br

Por vaga olímpica, carateca Douglas Brose viaja a Paris: 'Quero fazer parte desse momento histórico'

Brasileiro disputará o Pré-Olímpico, que acontece entre os dias 11 a 13 de junho

Redação, Estadão Conteúdo

27 de maio de 2021 | 13h28

Conhecido mundialmente como um dos principais caratecas da última década, Douglas Brose finalizou a sua preparação em solo brasileiro e embarcou para França, onde disputará o Pré-Olímpico de Paris, entre os dias 11 a 13 de junho, em busca da tão sonhada vaga olímpica para os Jogos de Tóquio-2020.

"Mesmo com todos os títulos já conquistados, considero essa competição a mais importante da minha vida. Todos sabem o meu esforço para que o caratê se tornasse um esporte olímpico e quero muito essa vaga para poder fazer parte desse momento histórico", revelou o bicampeão mundial.

Com mais de 28 anos vivendo intensamente o caratê, Brose é sinônimo de dedicação, foco e, principalmente, títulos. Foram meses de uma preparação intensa e que na reta final contou com o auxílio do também carateca e lutador profissional de MMA, Marcio Lyoto.

"Mesmo com a dificuldade da pandemia, conseguimos fazer uma excelente preparação. Nos primeiros meses montei uma estrutura em casa para poder continuar treinando normalmente, sempre com o apoio irrestrito da minha esposa e treinadora Lucélia Brose. Nessa reta final contei com a ajuda do grande lutador Marcio Lyoto, que por ser mais alto e mais pesado, me ajudou muito nessa adaptação da nova categoria. Tenho certeza que vamos deixar o nosso melhor na competição", destacou Brose, que lutará na categoria -75 kg.

O Pré-Olímpico vai funcionar como uma repescagem mundial para a Olimpíada de Tóquio. Todos os países sem caratecas classificados poderão inscrever um representante por categoria. Ao todo serão 72 atletas de 72 países diferentes.

A competição será disputada em eliminatórias simples e os caratecas que forem eliminados pelos dois finalistas disputam outras duas vagas na repescagem. Esses quatro atletas (os dois finalistas da primeira etapa e os dois classificados da repescagem) lutarão no sistema "todos contra todos". Ao final, os três melhores ficam com uma vaga na Olimpíada de Tóquio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.