Alex Ferro/Divulgação
Alex Ferro/Divulgação

Prefeitura rescinde contrato de reforma do Centro de Hipismo

Decisão foi publicada no Diário Oficial do Município

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

21 Janeiro 2016 | 12h25

A Prefeitura do Rio rescindiu nesta quinta-feira o contrato de reforma do Centro de Hipismo, no Complexo Esportivo de Deodoro. Obra mais atrasada da Olimpíada, a reforma era realizada pela construtora Ibeg - a mesma que liderava o consórcio responsável pela construção do Centro de Tênis e que, na semana passada, também teve o acordo rompido pela prefeitura. A empreiteira, que ainda foi multada em R$ 10,9 milhões pelo Município, afirmou que irá recorrer à Justiça.

O rompimento do contrato foi publicado no Diário Oficial desta quinta-feira. As razões apresentadas pela Prefeitura são os atrasos na execução da obra e o desrespeito a cláusulas contratuais. O acordo havia sido assinado em 2014 e está orçado em R$ 157 milhões.

Em nota, a Ibeg informou que recebeu a notícia do rompimento de contrato com “absoluta perplexidade”. Na semana passada, a construtora havia conseguido uma liminar na Justiça que assegurava a manutenção do contrato firmado para o Centro de Hipismo. A ação pretendia evitar que o rompimento do Centro de Tênis se repetisse na obra de Deodoro.

“A empresa Ibeg, responsável pelo contrato de construção do Centro Olímpico de Hipismo, em Deodoro, manifesta sua absoluta perplexidade pelo rompimento unilateral do contrato que tem com a Prefeitura do Rio de Janeiro, desrespeitando frontalmente a liminar concedida no dia 14 de janeiro de 2016 pela 9ª Vara de Fazenda Pública, determinando que a Prefeitura se abstenha de aplicar penalidades à empresa contratada para construção do Centro de Hipismo de Deodoro, até o julgamento final da questão pelo poder judiciário”, diz trecho do comunicado.

A construtora alega “desequilíbrio econômico-financeiro” para o atraso na obra, culpando a Prefeitura do Rio por atraso no repasse de pagamentos. A empresa afirma ainda que não foi apresentado o projeto básico licitado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.