Franck Robichon/Efe
Franck Robichon/Efe

Presidente do Comitê de Tóquio-2020 descarta renúncia após declarações machistas

Yoshiro Mori disse que 'mulheres falam demais' em reuniões e competem entre si de forma irritante

Redação, Estadão Conteúdo

04 de fevereiro de 2021 | 12h32

Yoshiro Mori, presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, veio a público nesta quinta-feira para pedir desculpas após a repercussão negativa de seus comentários machistas feitos no dia anterior, sobre a participação de mulheres em reuniões de conselheiros. Apesar da pressão pública no Japão, o homem forte da Olimpíada afirmou que não vai renunciar ao cargo e deu a entender que não mudou de ideia.

"As declarações vão contra o espírito dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos e, portanto, são 'inapropriadas'", admitiu Mori em uma entrevista coletiva programada às pressas em Tóquio. "Gostaria de retirar tudo o que disse", afirmou, antes de pedir desculpas "a todos que se sentiram ofendidos".

"Mas não tenho a intenção de renunciar", completou o dirigente, lembrando o "sacrifício pessoal durante sete anos" a serviço da organização do evento olímpico, adiado em um ano por causa da pandemia do novo coronavírus e que acontecerá agora de 23 de julho a 8 de agosto.

Na quarta-feira, o jornal japonês Asahi Shimbun publicou comentários feitos por Mori de que "mulheres falam demais" em reuniões, competem entre si de forma irritante e que as que trabalham no Comitê Organizador "sabem seu lugar". A indignação dos japoneses fez com que uma hashtag com a mensagem "Mori, por favor, renuncie" entrasse nos "trending topics" do Twitter. Os usuários da rede social tentaram pressionar patrocinadores para que o presidente do Comitê Organizador fosse destituído do cargo que ocupa.

No Parlamento Japonês, o primeiro ministro Yoshihide Mori foi questionado sobre o episódio e se limitou a dizer que os comentários do dirigente máximo da Olimpíada de Tóquio não deveriam ter sido feitos. Mori tem 83 anos e foi primeiro ministro do Japão em 2000 e 2001. O conselho do Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio-2020 teria cinco mulheres dentre os 24 membros. O código de governança da entidade, de 2019, tinha como meta que o conselho tivesse 40% de mulheres em sua composição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.