Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Presidido por Nuzman, comitê dos Jogos do Rio deve R$ 120 milhões a fornecedores

Lista de acusações inclui dano material, confissão de dívida, indenização por dano moral e patente.

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2017 | 12h14

Presidido por Carlos Arthur Nuzman, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de 2016 deve aproximadamente R$ 120 milhões para fornecedores. Somente no Tribunal de Justiça do Rio, a entidade é ré em 69 processos. A lista de acusações inclui dano material, confissão de dívida, indenização por dano moral e patente.

+ COI admite suspender Carlos Arthur Nuzman​

+ Patrimônio de Nuzman cresceu 457%, aponta MPF

O comitê não teria, por exemplo, pago o aluguel de estruturas temporárias usadas para a realização dos Jogos e serviços como limpeza e segurança. O pagamento de serviços de tecnologia também não teria sido pago, assim como danos causados em áreas privadas usadas na organização da Olimpíada.

Relatório oficial apontava que o rombo estava em R$ 132 milhões até dezembro. Parte das pendências foi quitada este ano e, em maio, a dívida era de R$ 117 milhões. O orçamento do comitê era de R$ 8,65 bilhões, mas o órgão não conseguiu arrecadar o previsto.

A expectativa dos dirigentes e dos credores é a de que o Comitê Rio-2016 resolva todas as pendências até o fim do ano, mas a prisão de Nuzman, nesta quinta-feira, deve atrapalhar a quitação dos débitos. Desde o mês passado, quando a Operação Unfair Play foi deflagrada, Nuzman teve os passaportes apreendidos e está proibido de viajar para fora do Brasil.

Isso o impediu, por exemplo, de participar do Congresso Executivo do COI (Comitê Olímpico Internacional) realizado mês passado em Lima, no Peru, e pedir auxílio do órgão para salvar as contas do Rio-2016.

Nuzman é indiciado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A acusação é de que o dirigente tenha participado de um esquema internacional de compra de votos para a escolha da cidade do Rio como sede da Olimpíada de 2016. O mandato de prisão temporária foi expedidos pela 7.ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro (Ipanema, Leblon, Laranjeiras, Centro).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.