EFE/EPA/NICOLAS DATICHE
EFE/EPA/NICOLAS DATICHE

Primeiro-ministro do Japão cogita proibir presença de público na Olimpíada

Faltando três semanas para os Jogos de Tóquio, Yoshihide Suga mostra preocupação com o aumento dos casos de covid-19 no país

Redação, O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2021 | 13h28

Mesmo depois de permitida pelas autoridades japonesas, a presença de público nos Jogos de Tóquio pode sofrer novas restrições. Faltando três semanas para o início do torneio, o primeiro-ministro do país, Yoshihide Suga, afirmou nesta quinta-feira, dia 1º, que avalia uma redução ou até a proibição dos torcedores no evento, que começa no dia 23. O líder japonês tem preocupação com o aumento de casos de covid-19 registrados no país, tendência que pode ser acelerada com a chegada de milhares de atletas, patrocinadores e jornalistas.  

"Existe a possibilidade de não haver espectadores. Em qualquer caso, agiremos tendo a segurança e a proteção do povo japonês como nossa principal prioridade", afirmou Suga. O primeiro-ministro afirmou ainda que novas decisões serão tomadas em consenso entre os governos japonês e metropolitano, o Comitê Olímpico Internacional e o Comitê Organizador.

Especialistas apontam que a variante Delta da doença pode desencadear um rápido ressurgimento das infecções durante os Jogos Olímpicos. Nesta quarta-feira, a capital japonesa registrou 673 novos casos, reafirmando a tendência de alta. O estado de emergência foi suspenso no dia 20 de junho. 

De acordo com a determinação atual, cerca de 10 mil espectadores poderão assistir às provas e eventos em cada arena. O número pode variar de acordo com a capacidade das arenas. O importante é que apenas metade dos espaços sejam ocupados. A organização dos Jogos foi alvo de críticas depois da autorização da presença de públicos. Estrangeiros continuam proibidos de assistir às competições. Somente o público japonês está liberado.

Na semana passada, o imperador Naruhito, do Japão, se mostrou "extremamente preocupado" com a possibilidade de aumento da contaminação por covid-19 durante a disputa da Olimpíada e a Paralimpíada. A informação foi dada pelo chefe da Agência da Casa Imperial, na quinta-feira, dia 24. Embora seja patrono honorário da Olimpíada de Tóquio, Naruhito não possui poder político. Mas sua figura é bastante respeitada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.