Química fora de quadra é a chave no vôlei de praia

As campeãs mundiais Misty May-Treanor eKerri Walsh sem dúvida têm um talento especial para o vôlei depraia, mas é a história de oito anos juntas e a amizade íntimaque elas consideram como ingredientes mágicos para o sucesso daparceria. É comum no vôlei de praia muitas trocas de parceiras,normalmente em busca de uma combinação ideal entre uma jogadoraalta e forte no bloqueio para ficar na rede e outra maisatlética e veloz para ser responsável pela defesa no fundo dequadra. Mas apenas isso não é necessário. Se a química fora dequadra não acontecer entre as jogadoras, os resultados tambémtendem a não aparecer. As brasileiras Ana Paula e Larissa não tinham umrelacionamento próximo antes de serem colocadas para jogarjuntas nos Jogos de Pequim pela Confederação Brasileira deVôlei, depois que Juliana, parceira de Larissa, sofreu umalesão às véspera da competição. A dupla melhorou seu jogo no decorrer da Olimpíada, mas nãofoi o suficiente para ir além das quartas-de-final. "Nós falávamos sem parar, até 2, 3, 4 horas da manhã sobrea vida, vôlei, namorados, filhos, amigos e família paratentarmos nos conhecer", disse Ana Paula. "Sabíamos que o relacionamento fora da quadra poderia nosajudar na competição. Agora eu entendo que quando ela grita,ela não faz isso para você se sentir mal, mas porque quer omelhor para você." May-Treanor e Walsh, que devem se separar depois dos Jogospara formar família, disseram que levou tempo até que elastivessem um 'sexto sentido' sobre onde a outra estaria emquadra e como elas deveriam se movimentar. "Encontrar a química certa é difícil. Nós não tínhamos essenível no primeiro ano. Você tem que trabalhar nos altos ebaixos. Como num casamento, quando as coisas não vão bem, vocênão se separa, você trabalha para melhorar", disse May-Treanor. Mesmo com a importância do entrosamento, algumas duplas nãotêm escolha. Os times chineses que chegaram às semifinais emPequim, por exemplo, disseram que não sabem se continuarãojuntas e que o futuro depende da decisão de seus treinadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.