Real Madrid derrota Valencia e conquista Supercopa da Espanha

Com Robinho no banco, Real derrotou o adversário por 4 a 2, de virada, no Estádio Santiago Bernabéu

EFE

24 de agosto de 2008 | 19h57

Em meio à polêmica envolvendo o atacante brasileiro Robinho, o Real Madrid derrotou o Valencia por 4 a 2 no estádio Santiago Bernabéu em uma virada espetacular no jogo de volta da Supercopa da Espanha para garantir o título da competição.   Após perder por 3 a 2 na partida de ida, a equipe de Madri sabia que a vitória era o único resultado que interessava.   Robinho, que falou claramente que deseja deixar a equipe espanhola para acertar com o Chelsea, foi muito hostilizado pela torcida do Real e ficou no banco durante todo o jogo.   Apesar de jogar em casa, o Real não apresentou um bom futebol no início da partida, talvez pela responsabilidade de ter que reverter a vantagem obtida pela equipe adversária no jogo de ida. Porém, conseguiu finalizar com os holandeses Van der Vaart e Van Nistelrooy, mas nada que causasse maiores problemas para o goleiro Hildebrand. Já o Valencia aguardava pela melhor oportunidade para atacar.   Quando ela apareceu, aos 33 minutos do primeiro tempo, o meia David Silva acertou um ótimo chute para vencer Casillas.   Cinco minutos depois a situação piorou ainda mais para o Real, quando o meia holandês Van der Vaart foi expulso após uma entrada criminosa em Mata. Veio então o intervalo, e o que tinha tudo para se tornar um desastre completo mudou de figura com o início do segundo tempo.   Com um jogador a menos, os atletas do Real se multiplicaram em campo, dando a impressão de que não havia acontecido expulsão alguma.   Já o Valencia, retornou para a partida com uma atitude apática, o que acabou sendo fatal no final. O esforço do Real começou a surtir efeito logo aos 5 minutos, quando a bola tocou na mão de Moretti após cabeçada de Nistelrooy. O juiz marcou então um pênalti e o artilheiro holandês conseguiu empatar o placar.   Porém, Nistelrooy quase se tornou o grande vilão da noite ao ser expulso aos 27 minutos por acumulação de cartões amarelos.   Mas, a apatia do Valencia era tão grande que o impediu de buscar o ataque mesmo tendo dois homens a mais.   Assim, o Real não se acovardou e continuou no ataque tendo o holandês Robben como seu principal articulador de jogadas.   Mais uma vez o Real acabou premiado pela sua persistência, quando Sergio Ramos marcou aos 31 minutos após aproveitar uma bola que sobrou, A equipe de Madri continuou melhor e conseguiu ampliar 10 minutos depois com um belo chute de De la Red. Quando faltavam 2 minutos para o fim do tempo regulamentar o argentino Higuaín ainda conseguiu o quarto gol de sua equipe.   Assim, quando Morientes descontou para o Valencia no último minuto já era tarde, o Real havia garantido o título da Supercopa da Espanha mesmo com Robinho no banco.   Ficha técnica:   Real Madrid: Iker Casillas; Sergio Ramos, Pepe, Heinze e Torres (Drenthe); Diarra, Guti (De la Red) e Van der Vaart; Robben, Raúl (Higuaín) e Van Nistelrooy.   Valencia: Hildebrand; Miguel, Albiol (Morientes) Alexis e Moretti; Joaquín (Pablo Hernández), Albelda, Baraja e Mata (Vicente); David Silva e Villa. Árbitro: Iturralde González.   Cartões amarelos: Heinze e Nistelrooy (Real Madrid). Moretti e Alexis (Valencia).   Cartões vermelhos: Van der Vaart e Nistelrooy (Real Madrid).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.