Repórter do 'Estadão' é primeira vítima registrada de virose

O jornalista do Estadão Eduardo Maluf se tornou o primeiro "paciente olímpico" dos Jogos de Pequim. Atingido pelo que os médicos acreditam ser uma virose, o enviado especial foi o internado na manhã de terça-feira em um hospital na região sul da cidade e inaugurou o que promete ser um período de alta demanda pelos serviços de saúde da capital por parte dos estrangeiros que ocuparão a cidade nos próximos dias.A posse de uma credencial para a cobertura dos Jogos transformou o repórter no centro das atenções da equipe médica do hospital, um dos 24 da capital habilitados para atender os jornalistas, atletas e integrantes das delegações olímpicas. Ele foi examinado por uma verdadeira junta médica, submetido a uma bateria de exames e colocado em um quarto privado, no qual passou a receber soro. A barreira da língua foi superada com a ajuda do gerente do hotel onde ele está hospedado, que o acompanhou.No início da tarde desta terça-feira, uma equipe de TV chinesa foi ao hospital fazer reportagem sobre o primeiro "doente olímpico". Enfermeiras e médicos ocuparam o quarto, enquanto o repórter era entrevistado.Viroses, intoxicação alimentar e infecções intestinal ou estomacal são comuns na China e atingem estrangeiros com freqüência.O bom atendimento médico faz parte do esforço do país em transmitir uma imagem positiva para os visitantes durante os Jogos. No seu quarto de hospital, Maluf foi visitado várias vezes durante o dia pelos médicos e enfermeiras, que acompanhavam a evolução de seu quadro.

Cláudia Trevisan, Correspondente - O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2008 | 09h38

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008Olimpíadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.